Imagens preciosas do rock

09303399

Uma nova grande exposição de fotografia em Nova York tem como tema a ideia de que os olhos são tão importantes como os ouvidos para se apreciar e compreender o rock and roll. A extensa mostra “Who Shot Rock & Roll: A Photographic History, 1955 to the Present”, do Brooklyn Museum, foi inaugurada nesta sexta-feira como um estudo sobre os contrastes que permeiam a subcultura do rock como gênero musical.

Cerca de 200 fotografias, vídeos, capas de álbuns e mostras de slides, desde várias imagens de Jimi Hendrix a fotos de Amy Arbus mostrando Madonna andando por uma rua de Manhattan em 1983, apresentam mais de 50 anos de história do rock.

09303400

“Este é apenas o começo da conversa sobre a importância das imagens no rock and roll”, disse o curador Gail Buckland, autor de um livro com o mesmo título da mostra, publicado neste mês pela Knopf. “As imagens são como os enteados de sua história cultural, e eu quero que elas sejam parte do pantheon”, disse Buckland.

Em crônicas de eventos como a primeira capa de álbum de Elvis Presley e o dia do casamento de Amy Winehouse, em 2007, a exposição permanece até janeiro no museu, o segundo maior de Nova York.

Primeiros dias

A seção dos primeiros dias do rock inclui a primeira foto dos Rolling Stones, raramente vista, tirada do lado de fora do Australia Pub, em Londres, em 1963, apenas alguns dias depois de eles terem assinado contrato com um agente. Com uma pose em que tentavam se mostrar “maus e desagradáveis”, pelos padrões atuais os rapazes parecem doces e inofensivos.

Em imagens de performances ao vivo, a história recente da banda é mostrada em uma foto de 1969, do notório concerto no autódromo de Altamont, que resultou na morte de quatro fãs. No mesmo ano, Johnny Cash faz para a câmera um sinal ofensivo com o dedo, durante apresentação na prisão de San Quentin.

Um ponto alto da seção de retratos é um conjunto de tomadas individuais de Richard Avedon, dos Beatles, em 1967. Uma foto de 1960 mostra o quarteto em Hamburgo, quando eles eram cinco, e Ringo não fazia parte do grupo. Mais tarde, John Lennon e Yoko Ono posam alegremente na cama de sua casa para Allan Tannenbaum, em novembro de 1980. Duas semanas depois, Lennon foi assassinado.

Mais de cem fotógrafos estão representados, incluindo Diane Arbus, Annie Leibovitz e Linda McCartney, documentando as vidas e a arte de músicos como Blondie, Iggy Pop, Bob Dylan, Janis Joplin, Grace Jones, Kurt Cobain, Tina Turner, Marianne Faithfull, Patti Smith e Chuck Berry. (Da Folha de S. Paulo)

Botafogo sonha com Dodô, de novo

O Botafogo oficialmente abriu negociações para acertar a volta do atacante Dodô para General Severiano. O jogador, que teve passagens vitoriosas pelo clube, está impossibilitado de atuar até novembro, suspenso por doping, referente ao período em que defendeu o próprio Glorioso, em 2007. Nesta sexta-feira o vice-presidente de futebol do Alvinegro, André Silva, reconheceu que o clube está disposto a acertar o retorno do artilheiro.

Há duas semanas Dodô deu uma entrevista dizendo que tinha perdido a confiança nos dirigentes do Botafogo, mas logicamente se referindo à gestão passada, que estava no clube em 2007, quando aconteceu o episódio do doping, ocorrido na goleada por 4 a 0 sobre o Vasco no primeiro turno do Campeonato Brasileiro do próximo ano. Dodô chegou a ser absolvido pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), se transferiu para o Fluminense, mas acabou suspenso por dois anos em julgamento na Corte Arbitral do Esporte (CAS).

Ao saber das declarações de Dodô, o presidente do Botafogo, Maurício Assumpção, pediu a amigos que marcasse um jantar com o atacante, o que aconteceu na última semana. Embora André Silva tenha dito que a negociação ainda não começou, o Glorioso sonha em acertar com o atleta já esse ano para que ele possa treinar no clube, passando parte de sua experiência ao elenco, que luta contra o rebaixamento.

Dodô chegou ao Botafogo pela primeira vez no fim de 2001, e acabou se destacando no Torneio Rio-São Paulo de 2002. O jogador retornou ao clube em 2006, fazendo parte da conquista do título carioca daquele ano. Depois disso o artilheiro se transferiu para o futebol árabe, retornando no início de 2007. (Portal iG Esporte e Gazeta Esportiva)

O meu Botafogo não aprende mesmo. Dodô, que era adorado pela torcida e era tratado como ídolo, abandonou o clube por três vezes.

“Mala branca”: Barueri afasta jogadores

Da ESPN

A diretoria do Barueri optou por afastar do elenco o goleiro Renê e o atacante Val Baiano nesta sexta-feira, um dia antes da partida contra o São Paulo. Os dois jogadores falaram durante a semana sobre um possível incentivo financeiro do Cruzeiro para que a equipe paulista vencesse o Flamengo – a vitória de fato aconteceu, na quarta-feira.

Depois de emitir nota oficial condenando a prática e garantindo que haveria apuração e, em caso de confirmação, punição aos envolvidos, o Barueri agiu de maneira preventiva nesta sexta. Segundo a direção do clube, a intenção do afastamento é apenas preservar a imagem de Renê e Val Baiano.

A coisa começa a entrar no terreno do exagero. O afastamento dos jogadores, sem qualquer culpa provada, só põe lenha na fogueira. E finge ignorar o quanto a prática do “doping financeiro” é comum no país do futebol.

Propaganda com hino beatle irrita fãs

O uso de um hino hippie da década de 1960 como trilha sonora de uma campanha publicitária revoltou fãs dos Beatles pelo mundo. A culpada é a empresa americana de tecnologia Blackberry, que utilizou uma versão cover de All You Need is Love, de 1967, para embalar uma série de propagandas de seus smarthphones na TV. A escolha acabou surtindo o efeito inverso. “A ideia de usar essa música para vender um produto já é suficientemente de mau gosto, mas a BlackBerry usa uma versão cover com um vocal choroso tão irritante que a música acaba incitando ódio”, escreveu um crítico on-line, segundo o jornal Independent.

Ginasta apanhada em antidoping

08162250

A ginasta brasileira Daiane dos Santos foi flagrada em exame antidoping realizado no mês de julho deste ano. A substância detectada no organismo da atleta é a furosemida. Segundo comunicado da Federação Internacional de Ginástica (FIG), o teste foi realizado quando a atleta não estava competindo, algo comum no esporte mundial atualmente.

O caso foi encaminhado à Comissão Disciplinar da FIG na quinta-feira, e a atleta já foi notificada. Agora, Daiane tem até 13 de novembro para solicitar uma audiência e expor suas razões. Após esta data, a comissão vai emitir um parecer à FIG, que então julgará o caso. Daiane tem 21 dias para apelar junto ao Tribunal de Apelações da FIG. A furosemida é um diurético geralmente usado na perda de peso, e no esporte ela é ajuda a mascarar casos de doping. (Do portal iG)

Governadora faz cirurgia

Da Agência Pará

A governadora Ana Júlia Carepa fará, nesta sexta-feira, 30, um procedimento cirúrgico para a realização de uma histerectomia parcial, que será realizada no Hospital Adventista de Belém. Ela optou por fazer o tratamento antes do final de semana prolongado, de modo que sua rotina de trabalho seja alterada o mínimo possível.

Baião, 230 anos de vida simples

baiao1

Baião, encravada no Baixo Tocantins, comemora hoje 230 anos de fundação. Nasceu, como quase todas as cidades paraenses surgidas no século 18, de um pequeno povoado à beira do rio. O fundador foi um andarilho nordestino chamado Antonio Baião, que lhe cedeu o nome. Depois de anos de esquecimento por parte dos poderes estabelecidos, a cidade segue sua rotina. Vidinha tranquila, simples, como seus colonos e pescadores.

baiao5

Nessa sequência de fotos de Everaldo Nascimento, uma boa mostra de como a cidade é hoje, com suas ruas arborizadas e a tradicional rampa do trapiche, tantas vezes mencionada aqui. Baião, que nunca teve problema de explosão demográfica, conserva-se meio imune ao tal progresso de outras cidades até mais jovens. Já não sei se isso é tão ruim assim. Vamos vivendo, de acordo com nossas posses, costuma dizer meu pai, José Dias.

baia3

O problema de Baião, como de quase todo o Pará rural e extrativista, é a ausência de limites. Os predadores do setor florestal tudo podem, são quase intocáveis. Caminhões costumam invadir as matas do município para extrair, criminosamente, madeira de lei. O verde vai ficando mais cinza. Não há cerca, nem lei. Quem ousa enfrentar as quadrilhas, sofre as consequências. Baião podia viver sem isso.

baiao2

Hoje pela manhã, ainda sonolento, recebi um telefonema lá da terrinha. Era minha irmã Marta. Queria saber se eu estaria na cidade hoje, para participar das comemorações. Alguém na Rádio Clube fez referência ao fato e juntou meu nome à cidade – coisa, aliás, que muito me honra. Disse que devia ser um engano, pois não posso me ausentar de Belém no momento, por motivos de trabalho. Mas a simples bênção de ouvir uma voz familiar já foi suficiente para tornar o dia mais luminoso. Graças a Deus.

baiao6  

 

Deputado paraense vota contra o diploma

Do Comunique-se

Apesar de ainda não ter sido avaliada pela Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, um deputado já apresentou um voto contra a Proposta de Emenda à Constituição 386/09, que restabelece a obrigatoriedade do diploma de Jornalismo para o exercício da profissão.

Zenaldo Coutinho (PSDB-PA), deputado titular da comissão, apresentou seu voto em separado na reunião da última terça-feira (27/10). No seu entendimento, a proposta viola a Constituição e acordos internacionais. Além disso, sustenta que a aprovação provocará um “enfrentamento entre Poderes absurdo”, já que o Supremo Tribunal Federal decidiu que a exigência da graduação é inconstitucional.

“Ora, se a Suprema Corte já expôs em decisão máxima que nossa Constituição veda em sua estrutura sistêmica, em seu conteúdo orgânico qualquer restrição que possa ser adicionada ao Princípio da Liberdade de Expressão e Informação parece-me, data vênia, mera persistência na elaboração de norma ineficaz e no enfrentamento entre Poderes absurdo e, portanto incabível”, afirmou.

Em seu voto, o deputado cita as pressões exercidas, “dentro dos primados do direito e da ética”, pelos sindicatos dos trabalhadores e patronais, mas afirma que sua decisão não foi influenciada por elas. “Neste cenário, afasto desde já, qualquer adesão aos argumentos não escritos dos patrões que desejam liberdade para contratar e dos trabalhadores que, naturalmente, defendem um mercado exclusivo”, afirmou.

O voto do deputado vai contra o relatório apresentado por Maurício Rands (PT-PE), que defende que a PEC não possui “ofensa às cláusulas invioláveis do texto constitucional”. A proposta poderá ser votada pela comissão na reunião da próxima quarta-feira (04/11). Para tanto, é preciso que um requerimento de inversão de pauta seja aprovado.

Nenhuma surpresa. Tudo a ver. Demo-tucanos, salvo honrosas exceções, estão sempre de braços dados com as grandes corporações. Diabo é quem duvida, como diria meu amigo Anaice.

Coluna: O mérito dos enjeitados

No ano passado, quando o Águia de Marabá esteve a pique de se classificar à Série B, em campanha empolgante, os elogios rasgados que a coluna teceu ao clube marabaense foram rechaçados por uma parcela de torcedores de Remo e Paissandu. Alguns, claramente contrafeitos pela comparação incômoda com a modesta agremiação interiorana. Outros, alheios aos resultados obtidos e empenhados somente em atacar o projeto do Águia, visto como carente de possibilidades de evolução.
Quase a mesma má vontade se repete agora em relação ao S. Raimundo, que, no mínimo, já é vice-campeão brasileiro da Série D. Os idiotas da objetividade, para citar Nelson Rodrigues, irão dizer que a competição é insignificante, a chamada “raspa de tacho” do futebol nacional.
Fico a imaginar, comparativamente, a importância que todos dariam à 4ª Divisão se Remo ou Paissandu estivesse na disputa. A perspectiva de um título nacional estaria, a essa altura, enchendo de alegria inflando o peito dos torcedores, orgulhosos da trajetória de seu time do coração.  
Pois a campanha quase heróica do S. Raimundo na Série D não merece o mesmo tratamento, mas é digna, sim, de atenção e respeito. Mais que isso: quando um dos grandes de Belém desce de seu pedestal e demonstra a intenção de seguir o que foi feito de positivo no modesto representante tapajônico, a atitude deve ser enaltecida, jamais ridicularizada.
O artigo de ontem, que aventou a possibilidade de o Remo tomar o S. Raimundo como referência na política salarial, despertou uma torrente de comentários no blog e via e-mail, quase todos criticando o posicionamento deste escriba interiorano.
Insisto, mesmo nadando contra a corrente e desafiando o coro dos contentes, que os bons exemplos devem ser observados. E, apesar da falta de dinheiro e dos transtornos internos, o Mundico teve o grande mérito de saber trabalhar dentro do orçamento disponível. Não é pouca coisa num Estado onde gastança desenfreada é o primeiro mandamento dos dirigentes. 
 
 
Bem, se parte da torcida paraense lhe vira as costas, indiferente ao mérito da campanha, o time de Lúcio Santarém recebe elogios fora das fronteiras estaduais. Reportagem do portal Terra, ontem, faz relato minucioso das agruras enfrentadas pelo time santareno, que teve a pachorra de trocar de técnico por quatro vezes e superar a deserção de jogadores para chegar à decisão do campeonato.
O Pantera é retratado, no texto de Dassler Marques, como um típico time emergente do interior do Brasil, no que essa condição tem de bom e ruim. Com humildade, o diretor Sandiclei Monte admite que a disputa regionalizada nas primeiras fases foi benéfica para a equipe: “Facilitou para nós, porque os times são montados com muitas dificuldades. Fomos crescendo e pegando experiência”.
Com um único destaque individual, o meia (e artilheiro) Michel, o clube fez um esforço tremendo para não falhar com os jogadores. “Apesar das dificuldades, não atrasamos os salários. É questão de honra”, diz Sandiclei. Parece pouco, mas é tudo aquilo que os grandes da capital não fazem. 

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO desta sexta-feira, 30)

A quem interessar possa…

Agenda do presidente Lula para esta sexta-feira, 30:

Horário Local (El Tigre): menos 2h30 em relação a Brasília 

9h Partida para El Tigre (Venezuela), no aeroporto de Maiquetía

9h45 Chegada a El Tigre, no aeroporto Don Edmundo Barrios  

10h40 Visita ao Projeto Agrário Integral Socialista José Inácio de Abreu e Lima

11h15 Reunião com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, no Centro Comunal

12h Cerimônia de assinatura de atos

12h45 Declaração à imprensa

14h Partida para Brasília (DF), aeroporto Don Edmundo Barrios

21h30 Chegada a Brasília, na Base Aérea de Brasília

(Fonte: Secretaria de Imprensa da Presidência)