8 comentários em “Capa do Bola, edição de quinta-feira, 22

  1. Ééééégua…. “CIGANOS” “PROCURAM BRECHAS”: Essa MANCHETE está com o vocabulário TORPE. Bem no PEJORATIVO mesmo.

    Menos mal se fosse usada a palavra “FORASTEIROS” que é o mesmo que ESTRANGEIROS.

    Independente do meu aspecto CLUBÍSTICO, confesso que NÃO GOSTEI.

    Prefiro achar que a MANCHETE é sim um FACTÓIDE, por não ser FACTÍVEL.

  2. Nada de pejorativo, tampouco torpe, factóide menos ainda; essa é a realidade escancarada, nada de escamotear, nada de metaforizar a informação para amenizar os impactos do que está ocorrendo.
    O BICOLOR AMAZÕNICO, está padecendo de muitos males, dentre os quais posso citar a SCPI-Síndrome do Complexo Pessoal de Inferioridade; exteriorização da personalidade administrativa do supermandatário máximo Sr. Luiz Omar Pinheiro, o que esse cidadão está fazendo no Paysandú não é uma renovação, é um desmanche, baseado na tese de que só presta quem é de fora, de outras plagas, aqui não tem ninguém competente, não tem preparador físico, ninguém capacitado para ser auxiliar técnico do desconhecido e inexpressivo Nasareno, ninguém joga bola, só de fora, só de fora, estão trazendo para testes os renegados do galícia, time que nunca participou de uma competição em nível nacional, enquanto isso os nossos atletas da base, já nem refeição podem fazer na casa do atleta bicolor, que é isso cara pálida! como é que esse time vai se sustentar, já viram alguma árvore sem raíz? só a de natal e a genealógica. Essa administração LOP/LOURO é um desastre e o pior de tudo é que o tal Conselho Deliberativo, não move uma palha para mudar essa situação, também pudera, só quem investe $$$ no BICOLOR é esse maluco LOP, os demais devem ser ums duros, bem mais que eu, por isso, permitem esses desmandos, esses escrachos, entendo que o melhor nome seria CONSELHO DEPRECIATIVO, tal o impacto negativo que essas gestões alopradas provocam nas agremiações, sob o olhar complacente dessa figura, refiro-me ao CD.
    Para finalizar, gostaria de perguntar ao LOP, e o faço agora, baseado no entendimento DÊLE, o que é que ELE ainda faz por aqui, já que os daqui não servem, não prestam, TU és de onde LOP??
    Silas Negrão.

  3. Infelizmente o BOLA está seguindo os mesmos caminhos do futebol paraense.
    Não só essa como outras capas que tratam de assuntos dos dois grandes da terra vem pecando pela falta de qualidade.
    Entendo que nesse tempo de vacas magras, é necessário se fazer algo para se vender o produto, mas cuidado, esse tiro pode sair pela culatra.
    Na verdade o que o Conselho Deliberativo do Paysandu fez foi alugar o clube ao atual presidente e seu escudeiro, pois ninguém tem a coragem de meter a mão no bolso como ele faz. Aí todo mundo tem que ficar caladinho e acenar positivamente para todas as asneiras que ele vem fazendo.
    Pobre do meu Paysandu.

  4. Abaixo está um texto do site da Globo:
    Os gaúchos sumiram do Gre-Nal. Nos últimos anos, a presença de uma maioria absoluta de atletas de outros estados virou realidade no clássico que divide o Rio Grande do Sul. E não será diferente no domingo, quando Inter e Grêmio duelarão pela 378ª vez. O jogo que tanto orgulha o povo gaúcho acabou invadido especialmente por paulistas.

    Apenas quatro gaúchos têm escalação garantida no Gre-Nal. Três deles são do Grêmio: os volantes Adílson, de Bom Princípio, e Fábio Rochemback, de Soledade, mais o meia Douglas Costa, de Sapucaia do Sul. No Inter, a presença de jogadores do estado é ainda menor. Só Bolívar, natural de Santa Cruz do Sul, está certo no jogo.

    Em todo o mundo está acontecendo o mesmo, se analisarmos os maires clubes do mundo veremos que a maioria é de importados, então por que a nossa imprensa é tão xenófoba assim. Lembremos que no ano passado o Paysandu deu chance aos de casa e deu no que deu, e além de tudo os jogadores medalhões continuavam a ganhar sálarios da época da série A, então conenhamos.

Deixe uma resposta