The Observer destaca “bons tempos”

Da BBC Brasil

A escolha do Rio de Janeiro como sede dos Jogos Olímpicos de 2016 é “a última prova de que para o Brasil, um dos países mais glamurosos e carismáticos do mundo, os bons tempos estão começando”, de acordo com uma elogiosa reportagem publicada neste domingo pelo semanário britânico The Observer. “Tão frequentemente descritos como pertencentes a um ‘país do futuro’, os brasileiros viram-se vivendo o presente neste fim de semana”, escreveu o correspondente Tom Phillips, do Rio de Janeiro.

A reportagem do Observer destaca a importância da escolha do Rio para todo o Brasil, mas principalmente para a própria Cidade Maravilhosa, “após anos de abandono e violência urbana”. O jornal afirma que os investimentos estão voltando ao Rio, que estaria vivendo um “boom econômico e cultural que já levou à recuperação de áreas dilapidadas do centro da cidade”. A reportagem também destaca a importância dos Jogos Olímpicos do Rio para a auto-estima dos brasileiros, citando palavras do presidente Luiz Inácio Lula da Silva: “O Brasil saiu do patamar de país de segunda classe e entrou no patamar de país de primeira classe.”

Governo Lula

O jornal elogia ainda a situação privilegiada do Brasil, após meses de crise econômica mundial, destacando o crescimento nas exportações do país, o aumento no preço de commodities e as políticas sociais do governo Lula, “que ajudaram milhões de brasileiros pobres a deixar a pobreza desde que o líder de esquerda assumiu o poder”. “O renascimento incipiente do Rio espelha o boom nacional que, nas expectativas do governo brasileiro, deve transformar o país em uma das potências políticas, econômicas e petrolíferas mundiais”, diz o Observer.

“Em 2007, a sua fortuna recebeu um potencial forte empurrão com o descobrimento de enormes reservas de petróleo na costa, que podem ajudar a tornar o país um peso ainda mais pesado no cenário internacional.” O jornal britânico vai mais longe ao ressaltar a crescente força da diplomacia brasileira, afirmando que como integrante do G20, “que ofuscou o G8”, o Brasil “está começando a mostrar os seus músculos”.

Obama ligou para cumprimentar Lula

Da BBC Brasil

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva revelou neste sábado em Copenhague, que após o anúncio da escolha do Rio de Janeiro para sediar os Jogos Olímpicos de 2016, na sexta-feira, recebeu dois telefonemas do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que ainda voava no Air Force One de volta a Washington. “Ele se disse feliz pelo Brasil e muito satisfeito por a Olimpíada ter ficado com a América do Sul”, afirmou Lula, acrescentando que a primeira ligação caiu quando o avião presidencial americano entrou em uma área de turbulência.

O presidente brasileiro afirmou ainda que não considera constrangedora a viagem de Obama, que vem sendo criticado por ter voltado de mãos vazias aos Estados Unidos. “Eu não acho que Obama pagou mico ao vir a Copenhague. Se ele não tivesse vindo, estaria agora sendo acusado que Chicago perdeu por ele não ter vindo”, disse Lula.

Mundico derrota Alecrim: 3 a 1

O São Raimundo deu um susto na torcida, mas acordou a tempo e obteve um bom resultado, neste domingo, derrotando o Alecrim (RN) por 3 a 1, no estádio Barbalhão. A partida abriu as semifinais do Campeonato Brasileiro da Série D. O visitante abriu o placar logo aos 7 minutos, através de Maurício Pantera. A reação santarena começou aos 24 minutos. Del Curuçá cruzou para dentro da área e Luiz Carlos Trindade arrematou para as redes. Quatro minutos depois, o goleiro Isaías vacilou e perdeu a bola para Trindade, que tocou para Rafael Oliveira só completar. O terceiro gol do Mundico saiu aos 45 minutos, após boa jogada de Del Curuçá. Michel recebeu na entrada da área e acertou um forte chute, sem chances para Isaías. 

No segundo tempo, o Alecrim pressionou no começo, mas depois o S. Raimundo passou a dominar inteiramente e esteve perto de chegar ao quarto gol.

São Raimundo 3 x 1 Alecrim
Local: Estádio Barbalhão, em Santarém.  
Árbitro: Guilherme Cereta de Lima – SP 
Cartões Amarelos: Filho e Marcelo Pitbull (São Raimundo); Hercules (Alecrim) 
São Raimundo – Labilá; Ceará (Cidivan), Filho, Preto Marabá e João Pedro; Marcelo Pitbull (Cleverton), Beto, Luiz Carlos Trindade e Michel; Del Curuçá e Rafael Oliveira (Elcio). Técnico: Lúcio Santarém. 
Alecrim – Isaías; Geílson, Pantera e Rafael (Torona); Eduardo Igor (Robson), Hercules, Fabiano Silva, Chapinha e Fernandes (Marciano); Val e Maurício Pantera. Técnico: Leandro Sena.   

(Com informações da Rádio Clube e do Bola)

Papão perde na estréia de Nazareno

Logo no primeiro amistoso após a eliminação na Série C de 2009, o Paissandu deu vexame. Na estréia do novo treinador, Nazareno Silva, a equipe foi batida pela seleção de São Caetano de Odivelas por 3 a 1, na tarde deste domingo. O volante Dadá abriu o placar para os bicolores, em cobrança de falta aos 11 minutos do primeiro tempo. O time de São Caetano empatou através de Romário, aos 17 minutos do primeiro tempo, e virou com Afonso, aos 31, e Tiago, aos 44 minutos da etapa final. 
Os próximos amistosos do Paissandu serão em Laranjal do Jari, no dia 7 de novembro, e em Almeirim, no dia 8 do mesmo mês. (Com informações da Rádio Clube e do Bola)


Laterais do Bota visitam mestre Nilton

304_126-nilton2

Toda homenagem, por mais simples, é muito importante para uma lenda como Nilton Santos. Na quinta-feira, a Enciclopédia do Futebol recebeu a visita dos laterais das categorias de base do Botafogo, num gesto tão bonito quanto educativo para os garotos. O texto, de Danilo Santos, e as fotos, de Maju Cancella, estão postados no site oficial do Botafogo:

“O Botafogo tem a honra de ter como ídolo o maior lateral-esquerdo de todos os tempos, Nilton Santos. O futebol e o caráter do craque sempre servem de inspiração no clube. Os laterais da base já pensavam assim e, depois desta quinta-feira, têm certeza. Eles fizeram uma visita ao Enciclopédia na clínica em que vive, na zona sul do Rio de Janeiro. Ao todo, oito jogadores tiveram o prazer de conhecer o craque, de 84 anos. Foram eles: Mauro e Yuri (mirim); Juan Nakamura e Lucas (infantil); Renan Lemos e Felipe Oliveira (juvenil); e Guilherme e Renan dos Santos (júnior).

Eles se impressionaram não apenas com Nilton Santos, mas também com seu quarto, todo decorado com objetos relacionados ao Botafogo. Antes mesmo do encontro, Renan Lemos e Felipe Oliveira já se mostravam ansiosos pela visita.

Ele foi o maior lateral da história. E o melhor é que só jogou no Botafogo – disse Renan, animado.

– É uma honra poder visitá-lo. Espero seguir os mesmos passos, pois ele chegou à seleção e foi ídolo no Botafogo – afirmou Felipe.

Acompanhado da esposa, Maria Coeli, Nilton contou histórias de seu tempo de jogador e se empolgou ao falar de Garrincha, enquanto os jovens atletas prestavam atenção. Ele perguntou se todos optaram por serem laterais-esquerdos e revelou ter inveja da liberdade que eles têm para atacar hoje em dia. No fim, mandou um recado:

– Espero que vocês tenham a mesma sorte que eu tive no Botafogo.

É o que deseja não apenas Nilton Santos, mas também a torcida alvinegra e as promessas do Botafogo, que tocaram na perna do ídolo para pegar um pouco da sorte e do talento dele”.

304_126-nilton3

Amém.

Uma chance de ouro

Por Juca Kfouri

Sediar uma Copa do Mundo de futebol e os Jogos Olímpicos pode fazer do Brasil o país do século 21.

PRIMEIRO é preciso dizer que a escolha do Rio para sediar a Olimpíada de 2016 foi fruto de um trabalho brilhante.

Pura ficção, mas brilhante.

Quem viu o Pan-2007 não tem por que acreditar em nenhuma das promessas feitas e sabe que aquela cidade maravilhosa que os filmes mostraram não existe.

É claro, porém, que pode existir.

Bastará gastar o que está previsto, de fato, nela.

Em segundo lugar, é preciso dizer com todas as letras e sem nenhuma ironia que nunca, jamais, o Brasil teve um presidente da República como Luiz Inácio Lula da Silva. Nunca, jamais e em tempo algum.

Nenhum governo antes tirou tantos milhões de brasileiros da linha de pobreza, diferença maior dele em relação a todos os seus antecessores. Porque, de fato, um presidente preocupado com os excluídos, coisa que os outros só conheceram na teoria, enquanto Lula foi um deles, na prática.