Coluna: A ressaca do factóide

Na mesma proporção com que despertou espanto quando foi anunciada, a proposta de venda do Evandro Almeida terminou a semana com toda a pinta de factóide de tiro curto. Nem entre os conselheiros do Remo prospera a hipótese de que algum grupo empresarial esteja, de fato, interessado na compra.
O mais provável, avalia um dos beneméritos do clube, é que a pretensão de negociar o estádio tenha sido lançada ao vento para aferir os humores do Condel e, por tabela, atrair a atenção de potenciais interessados. Trazer o assunto a público visou, ainda, medir as possíveis conseqüências e o nível de desgaste da iniciativa junto à coletividade azulina.
Os valores propostos pelo presidente Amaro Klautau, na casa dos R$ 40 milhões, nem chegaram a ser seriamente considerados pelos conselheiros, que têm a firme convicção de que o imóvel vale bem mais que isso. Já há, inclusive, dois estudos de avaliação em andamento para confrontar o preço estabelecido pela diretoria.
A versão de que existiriam dois clientes agendados também caiu por terra, diante da cobrança direta feita por dois ex-presidentes do clube. Instado a apresentar publicamente os interessados, a diretoria silenciou e o assunto agora periga cair na vala comum dos projetos em espera.
Um dos itens mais contestados é o custo projetado para o futuro estádio azulino, a ser construído pelo comprador do Baenão: R$ 25 milhões é, sob todos os pontos de vista, valor insuficiente para erguer uma arena de 20 mil lugares, com o mínimo de conforto nas instalações.
Comparação direta com o projeto de reforma do Mangueirão, orçado pelo GT Copa 2014 em R$ 200 milhões, atesta que os sonhos de negociação do velho estádio estão bem próximos do puro delírio.
Sondagens informais junto aos conselheiros não revelam oposição radical contra a idéia de se desfazer do estádio, desde que em condições vantajosas para o clube. Apesar de surpreendida pelo anúncio, grande parte do Condel tende a prestigiar o presidente, caso venha a apresentar uma proposta realmente consistente.  
 
 
A TV Cultura transmite S. Raimundo x Cristal, a partir das 16h45, direto do estádio Barbalhão, em Santarém. O jogo pode pôr o Mundico na próxima fase da Série D e classificá-lo à Série C 2010. A rigor, mesmo levando em conta as surpresas que o futebol sempre apronta, só mesmo um acidente de proporções tapajônicas tiraria do alvinegro mocorongo a justa comemoração reservada para este domingo.
Em condições normais, a força da equipe de Lúcio Santarém deve prevalecer. Com boa armação de meio-campo, centrada na experiência de Trindade e na habilidade de Michel, o S. Raimundo entra classificado (o placar de 0 a 0 lhe favorece) e tem condições de garantir uma boa vitória.

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO deste domingo, 27)

7 comentários em “Coluna: A ressaca do factóide

  1. Penso eu, que quem é do contra, sempre vai arrumar alguma coisa, para ver sua opinião levada em consideração. Agora, comparar o orçamento do Mangueirão( que comporta mais de 40 mil torcedores, que seria preparado para uma copa do mundo, com uma Arena para 20 mil pessoas, é muita maldade. Segundo dados de alguns engenheiros, amigos meus, com 20 Milhões, se faz uma Arena pra 20 mil pessoas, inclusive tem,hoje, uma reportagem num Jornal da cidade, falando justamente disso. Vão tentando, mas o “LA BOMBONERA DO LEÃO”, VAI SAIR, contra tudo e contra todos, pois, hoje, o Remo não tem um Diretor de Futebol, travestido de Presidente, o Remo tem, hoje, verdadeiramente: UM PRESIDENTE E UM VICE, ATUANTES. É uma pena que algumas pessoas, estajam demorando a enxergar isso.

    1. Cláudio,
      Construir um novo estádio, mesmo mais modesto nas instalações (sem exigências da Fifa) e na metade do tamanho, é coisa bem diferente do que reformar um estádio. Qualquer engenheiro sabe bem disso. Uma informação importante: o projeto do estádio municipal de Ananindeua está orçado em R$ 60 milhões, para 15 mil pessoas. Não faço oposição por oposição, sou um jornalista, trabalho com fatos ou informações corretas. Quando especulo, digo que é especulação.

  2. Gérson, como o São Raimundo não é o Remo, nem o Águia, não vai morrer na praia. Mundico já está na Série C. A massa azulina estará em cheio, torcendo para essa ascensão. Pela primeira vez, as coisas começam a conspirar a favor do Leão – para o ódio do outro lado: Mundico sobre e o São Paulo termina no G-4. Resultado: Leão na Série D e na Copa do Brasil em 2010 (só para encher o saco, espero que ainda com campo.).

    1. Não morre, não. Tenho fé na classificação do Mundico e torço por isso. Lembrando aos navegantes que esse time foi montado por Valter Lima, tão achincalhado por parte da torcida do Paissandu. E montado com sucata – Trindade, Hélcio, Hallace, Preto Barcarena etc. O único realmente craque do time é Michel, também descoberto por VL. Imagine se ele enxergasse alguma coisa, hein…

  3. Gerson, é bom dizer, também, que o ataque no tempo do Valter Lima era Hélcio e Garrinchinha. O do Arthur, quando chegou, mudou para Deo Curuça e Hallace, indicados por ele, além do Lateral Ceará, que hoje, são peças fundamentais, também, nesse time do S. Raimundo. Também estarei torcendo para o SR, como torci para o Paysandu, como Paraense que sou e Defensor do Futebol do Pará, só espero que tenha mais sorte e, que para o ano que vem, se planeje melhor.

    1. Não deprecie o trabalho do cara só porque acha que meu amigo Artur é melhor técnico. Os dois são trabalhadores e competentes, uma coisa não exclui outra, necessariamente.

Deixe uma resposta