Quando o sonho vira pesadelo

auxerre-marcos-antonio-ff-Presse-Sports

Do Le Blog du Foot

A triste história de Marcos Antonio. É assim que os sites do L’Equipe e da France Football intitulam texto sobre o zagueiro brasileiro do Auxerre, publicado esta semana. E é triste mesmo, acho que a história mais triste destes pouco mais de 100 posts e 5 meses de vida deste Le Blog.

Marcos Antonio Elias Santos é baiano de Alagoinhas e tem 26 anos. Começou no Corinthians alagoano, mas partiu cedo para a Europa. Comprado pelo Porto, foi emprestado ao Acadêmica e defendeu outros dois clubes portugueses: Gil Vicente (por três temporadas) e União Leiria. Em junho de 2007, tornou-se o primeiro brasileiro a ser contratado pelo Auxerre, que em toda sua história recrutou apenas dois sul-americanos.

Após ser pouco aproveitado, foi emprestado no ano seguinte para o PAOK, da Grécia. Em abril, veio o grande baque: descobriu que tinha um câncer na garganta, depois de ter uma persistente dor diagnosticada como pequena infecção. O empréstimo acabou em junho, mas o Auxerre não renovou seu contrato e, com isso, ele não pode seguir morando regularmente na França. Atualmente em Portugal, onde vive com a esposa portuguesa sem receber nada do clube francês, está pronto para levar o caso aos tribunais internacionais.

4 comentários em “Quando o sonho vira pesadelo

  1. O que precisa ser tirado como lição é que, seja aqui ou em qualquer outro lugar do planeta, jogador de futebol só é considerado “mercadoria” valiosa se contribuir para encher os bolsos dos cartolas, caso contrário, o caminho é a indigência.
    Lamentávelmente, por se tratar de uma categoria em que reina o individualismo, ainda ouviremos falar de muitos outros “Marcos”.

  2. Jogador de futebol é emprego temporário sem estabilidade, estando vinculado a um clube por força de contrato com deveres e obrigações mútuas, sujeito a renovação em caso de interesse das partes. O caso do jogador poderia por um gesto de solidariedade ser amparado, mas não exige do clube uma obrigação para isso. Como trabalhador que contribui com a previdência deve ser por esta amparada dentro da lei. Infelizmente é a realidade.

Deixe uma resposta