Fernando Alonso alega inocência

Principal beneficiado pelo acidente de Nelsinho Piquet durante a edição 2008 do GP de Cingapura, Fernando Alonso desconhecia o provável plano da Renault para que o brasileiro colidisse seu carro, provocasse a entrada do safety car e favorecesse o companheiro de equipe, que acabava de sair dos boxes naquele momento.

O surgimento das recentes acusações de que a batida de Nelsinho teria sido fruto de uma ‘marmelada’ organizada pelo piloto junto aos chefes da Renault, Flavio Briatore e Pat Symonds, já fez a Federação Internacional de Automobilismo (FIA) consultar Alonso, o que aconteceu na última prova da Bélgica.

O conteúdo daquela conversa foi divulgado nesta quinta-feira pela revista londrina Autosport. Segundo fontes da entidade, Alonso assegurou que apenas aceitou antecipar sua primeira parada para reabastecimento – que ocorreu logo na 12ª volta da etapa asiática, apenas duas antes do acidente do brasileiro -, para realizar uma estratégia “agressiva”.

Só mesmo um excesso de compreensão pode fazer com que a FIA aceite a alegada inocência de Alonso. Um esquema tão discutido antes da corrida não poderia ser posto em prática com o desconhecimento do principal beneficiário.

Deixe uma resposta