Romário e o longo braço da lei

Aposentado dos gramados, Romário, que atualmente trabalha como dirigente do América-RJ, se envolveu em mais um rolo. Desta vez, teve problemas com a Justiça por não pagar pensão alimentícia à ex-mulher Mônica Santoro, com quem tem dois filhos: Moniquinha e Romarinho. Na tarde desta terça-feira, um oficial de justiça foi à residência do ex-atacante com um mandado para que comparecesse ao 16º DP da Barra da Tijuca, no Rio. Romário foi detido na delegacia para depor sobre a acusação da ex-modelo. Segundo seu advogado, Norval Valério, a pensão foi paga e os recibos já foram entregues ao delegado de plantão. A apresentação do time do América-RJ, marcada para esta terça-feira, foi cancelada por causa do ocorrido.

Cuidado com La Brujita

87e7a7f6-0a92-3268-b7f8-4ef1280fa0a7

Da ESPN Brasil

O veterano meio-campo Juan Sebastián Verón entrará em campo amanhã pelo Estudiantes disposto a seguir os passos de seu pai, Juan Ramón, destaque da equipe argentina no tricampeonato da Libertadores de 1968 a 1970. Ser filho de Juan Ramón, conhecido como “La Bruja”, rendeu a Verón o apelido de “La Brujita”. A conexão de ambos com o clube é tanta que o meia nasceu no dia em que seu pai disputava uma partida importante pela equipe. Carlos Bilardo, seu técnico à época, escondeu o nascimento da criança até o apito final, para que ele não se desconcentrasse.

Trinta e nove anos depois da última conquista da equipe argentina na Libertadores, Juan Ramón Verón, de 65 anos, evita pensar nas dificuldades que a equipe terá em Belo Horizonte. “Acredito que eles poderão repetir o que nós fizemos”, afirmou o ex-jogador, uma referência no clube: em 297 jogos, disputou quatro finais da Libertadores e balançou as redes 77 vezes.

Buarque e a corrupção invisível

Do Comunique-se

Em pronunciamento no Senado, o senador Cristovam Buarque (PDT-DF) se disse “triste” que a mídia não “consiga trazer como escandalosos” os problemas sociais e se concentre no que ele chama de “escândalos visíveis”, que são os casos de corrupção no comportamento político.

“É triste que a mídia, que presta um imenso serviço em divulgar aquilo que é visível, não tome um pouquinho de tempo, para fazer uma análise mais detalhada da realidade social e não consiga trazer como escandalosa a vergonha da desigualdade (…), a vergonha de um processo eleitoral cujo único tema de debate talvez seja a corrupção do comportamento, e não a corrupção nas prioridades”, afirmou.

De acordo com o senador, os problemas sociais são “escândalos invisíveis”, que “até aparecem, mas não os consideramos escândalos”. Os casos de corrupção no Congresso, como o uso de passagens aéreas e da verba de gabinete, ganham uma dimensão maior que os problemas que afetam diretamente a população.

“Onze por cento dessas crianças não saberem ler, uma em cada dez, é um escândalo tão grave quanto usar passagem do Senado (…). É um escândalo invisível, porque as pessoas não querem ver, porque a mídia não dá a dimensão de escândalo, apenas de notícia (…). Como se fosse escândalo apenas aquilo que diz respeito à corrupção do roubo do dinheiro, e não o escândalo do roubo da vida de quem não teve um atendimento médico na hora certa”, disse.

Nelsinho diz que vai ficar

09195216

O brasileiro Nelsinho Piquet, da equipe Renault de F-1, desmentiu nesta terça-feira o apresentador Galvão Bueno, da TV Globo, que disse no programa “Bem, Amigos” que ele já estava demitido da equipe francesa. Em sua página no Twitter, o piloto afirmou que irá correr a próxima etapa, o GP da Hungria, no próximo dia 26 de julho. “Aí Galvão, vc está errado, meu bom! Te vejo na Hungria! E vamo torcer para q o carro esteja melhor lá! Valeu pelo apoio de todo mundo! Abcs! (sic)”, escreveu o brasileiro no microblog.

Epa, epa, epa…

E assim caminha a humanidade

Do Blog de Cosme Rímoli

Como não poderia deixar de ser, Vanderlei Luxemburgo é o nome mais comentado pelos dirigentes do Santos. Ele tem muitas chances de substituir o demitido Mancini. O motivo: vazou uma conversa que ele teve com o presidente Marcelo Teixeira ainda na semana passada.

O dirigente santista quis saber se o treinador demitido gostaria de trabalhar no Santos. Mas alertou que ele seria muito caro. Luxemburgo disse que teria a solução para isso. Ele tem nas mãos a proposta de uma parceria para o Santos. Seria nos moldes da Traffic no Palmeiras. Ela arcaria com os gastos do futebol, investiria dinheiro e lucraria com possíveis vendas.

E bancaria boa parte dos seus salários. Teixeira gostou da idéia.

Parte importante dos conselheiros, no entanto, estão cansados dos superpoderes que Luxemburgo sempre teve no Santos. E querem Muricy Ramalho. Acreditam que ele ficaria seduzido por uma proposta até o final de 2010. Bastaria bancar um alto salário para ele e para seu auxiliar Tata.

Não tão alto como pediu ao Palmeiras, R$ 600 mil mais luvas de R$ 1 milhão. Até porque o presidente posta que para o Santos o preço será mais baixo. A razão: não existe tanta rivalidade entre o clube e o São Paulo. Ao contrário do Palmeiras, vizinho de muro da ex-equipe de Muricy.

Com a oferta de Luxemburgo no bolso, Marcelo Teixeira pretende falar com o procurador do ex-são-paulino, Márcio Rivellino ainda esta noite. De qualquer maneira, Teixeira jurou aos seus conselheiros e até aos chefes da principal torcida santista. Quem assumir terá um perfil bem diferente do de Mancini.

A ordem é mesmo um linha dura. E ele terá de fazer uma ‘limpeza’ no elenco santista. Teixeira, que pende para Luxemburgo, avisou seus pares que o novo treinador será anunciado em breve. “Mais rápido do que todos podem esperar”, jurou.

A paciência de Vagner Mancini lhe valeu R$ 500 mil. O treinador recebia R$ 200 mil por mês. Como multa ele terá direito a 50% do que ainda teria direito a receber até o final de contrato. Como faltam cinco meses para o fim de dezembro, R$ 500 mil.

Pagando salários de R$ 200 mil, R$ 400 mil ou R$ 500 mil a técnicos, alguém ainda acha que há futuro para o futebol no Brasil?

Bóvio ou a certeza do quase óbvio

9fbe2cb0-3286-36ff-8798-fd9b71470f71

Um volante que quase não foi aproveitado pelo Corinthians na Série B do Campeonato Brasileiro no ano passado está de volta ao país e se diz perto da primeira divisão. Sem vaga no elenco para extra comunitários (jogadores sem o passaporte europeu), o Genoa liberou Bóvio, que alega já ter despertado interesse em três clubes. “Alguns empresários me ligaram para falar de Goiás, Sport e Flamengo”, informou Frederico Moraes, procurador do atleta que já passou também pelo Santos e que promete avançar nas negociações para deixar seu cliente com condições de atuar quando a CBF liberar a inscrição de quem vem do exterior – Bóvio estava emprestado ao Al Shabab, da Arábia Saudita. (Da ESPN Brasil)

Se fosse bom mesmo, é óbvio que Bóvio já estaria empregado, não acham?

Coluna: As chances do Paissandu

Continuam amplas as chances de classificação do Paissandu à próxima fase da Série C. Com a goleada de domingo na Arena da Floresta, a situação ficou mais complicada, mas não em nível crítico. Além das gozações dos torcedores rivais, o time perdeu em Rio Branco a liderança da chave e ganhou um déficit considerável no saldo de gols.
A partir de agora, o que importa é avaliar as possibilidades de classificação. E, em comparação com o Águia, o Paissandu desfruta de situação mais confortável. No aspecto prático, a conta é bem simples: não pode mais desperdiçar pontos e precisa derrotar Luverdense e Sampaio por mais de um gol de diferença.
Se ganhar as duas partidas, o Paissandu estará classificado. Procurar estabelecer uma folga na artilharia é uma precaução para a eventualidade de desempate na rodada final. Essa pretensão se sustenta no fato óbvio de que Luverdense e Sampaio são os times mais fracos do grupo.
Quanto ao Águia, a derrota em casa para o azarão Luverdense pode ter custado a vaga que parecia praticamente certa. Com base nos resultados e no retrospecto recente, tudo leva a crer que os paraenses vão ter que se contentar apenas com uma vaga, ao contrário do que se imaginava nas primeiras rodadas. Como em 2008, o Rio Branco se intromete na disputa e deve ficar com a outra vaga, porque tem a campanha mais consistente do grupo e o time mais ajustado.
 
 
Aliás, vale abrir um parêntesis para falar do Rio Branco. Apesar da perda de alguns jogadores, o time impressiona pela qualidade do passe e a eficiência do sistema tático que emprega. Não há mistério: são dois zagueiros altos, um lateral direito de bom nível (Ley), um volante (Zé Marco) que sabe sair jogando e, acima de tudo, um meia-atacante (Testinha) diferenciado, como nenhum outro no futebol da região.
Pode não parecer muito, mas isso explica a superioridade do Rio Branco em relação aos demais parceiros de grupo, incluindo os paraenses. No futebol raquítico e cheio de altos e baixos que se vê na Série C, o time acreano se destaca pela regularidade. Em casa, raramente perde. Fora,
busca sempre os três pontos – e quase sempre consegue.
Desponta como favorito para se classificar porque é o único que tem ainda três jogos a cumprir, podendo chegar a 18 pontos. E mais: vai sair de casa para enfrentar Luverdense e Sampaio, mas não costuma encontrar dificuldades para impor seu jogo como visitante. Para completar, fechará sua participação recebendo o Águia na Arena da Floresta.
 
 
O clima passional que ronda clubes de massa às vezes chega a níveis absurdos. Já há torcedor e até dirigente do Remo pedindo a cabeça do técnico Sinomar Naves, depois que o time empatou em Quatiparu por 2 a 2. Bobagem. O momento não é de caçar bruxas, mas de tentar dar feição ao time atual. Os resultados (desde que não sejam vexatórios) importam muito pouco a essa altura.

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO desta terça-feira, 14)