Técnico ignora festa para Kaká

O novo técnico do Real Madrid, o chileno Manuel Pellegrini, não acompanhou a apresentação do meia-atacante Kaká ao clube espanhol, apesar de toda a festa feita para a chegada do brasileiro. Ex-treinador do Villarreal, Pellegrini está de férias em seu país e só retornará à Espanha no domingo, quando dará início ao trabalho de pré-temporada da equipe.

Apesar de não ter visto os cerca de 50 mil torcedores que foram ao estádio Santiago Bernabéu apenas para ver Kaká, que custou 65 milhões de euros (cerca de R$ 178 milhões) aos cofres do time, Pellegrini comemorou o fato de ter reforços de peso. “Sempre entro motivado [em novos desafios]. Podemos realizar uma grande campanha, com excelentes jogadores, e isso me mantém muito empolgado”, afirmou o treinador. (Com informações da ESPN Brasil)

A pergunta é: quem é o glorioso Manuel Pellegrini?

Rei Artur no Pantera

Artur Oliveira é o novo técnico do S. Raimundo. Ele foi confirmado na noite de terça-feira pela direção do clube, em substituição a Valter Lima, que assinou contrato com o Paissandu. Artur já está em Santarém para assumir o Pantera, que estréia no campeonato brasileiro da Série D no próximo domingo, contra o Moto Clube (MA).

Aos 39 anos, o Rei Artur treinou o Remo no último Parazão e tem no currículo, além do título estadual pelo Leão em 2008, boas passagens por Ananindeua, Castanhal e Rio Branco (AC). Motivador, Artur terá que se desdobrar para fazer com que o S. Raimundo mantenha o bom futebol exibido no certame estadual.

Novos tempos na Curuzu

O desembarque de Valter Lima, na tarde desta quarta-feira, na Curuzu, inicia um novo tempo no Paissandu e abre novas possibilidades para jogadores que estavam encostados, sem chances com o treinador anterior. É o caso de Jucemar, recém-contratado e que praticamente não trocava palavras com Edson Gaúcho. Outro que volta a ter chances de entrar no time é o zagueiro Rogério Corrêa, que sempre foi preterido em favor dos antigos titulares, trazidos por Gaúcho.

Um dos líderes do plantel, o goleiro Rafael Córdova, admitiu que não esperava a demissão da comissão técnica. Ele foi avisado por um taxista, assim que chegou de viagem. Apesar disso, mostra-se confiante no trabalho de Valtinho. Mas já surgiram defecções no grupo. O meia Rossini decidiu pedir as contas, depois que soube do afastamento de EG.

E cresce a perspectiva de contratação do meia Michel, um dos destaques do recente campeonato estadual vestindo a camisa 10 do S. Raimundo. Com a atual má fase de Vélber, seria um excelente reforço para o setor de criação do time. Outro reforço agendado é o goleiro Dida, ex-Criciúma.

 

Inter lança trio infernal

9fe43ed0-9bdb-3fb2-b1a8-fb6735c8ef06

As voltas de D’Alessandro e Nilmar aninam o Internacional para a partida de volta da final da Copa do Brasil contra o Corinthians, nesta quarta-feira, no Estádio do Beira-Rio. Os dois jogadores, ao lado de Taison, formam o melhor ataque do Brasil em 2009, e o time colorado precisa de gols, pelo menos três, para reverter a desvantagem de 2 a 0.
Neste ano, o Inter disputou 42 jogos e marcou 97 tentos. D’Alessandro, Nilmar e Taison jogaram juntos em 16 partidas: venceram 14, empataram uma e perderam apenas uma, no primeiro jogo da Copa do Brasil, contra o União Rondonópolis. Com o trio em campo, a equipe de Tite fez 36 gols e não deixou de marcar em casa.

O meia argentino não joga desde 27 de maio, quando atuou na volta das semifinais contra o Coritiba, por causa de uma lesão na coxa. Já Nilmar estava com a seleção brasileira na África do Sul e retornou ao Brasil na última segunda. (Taison e Nilmar, em foto da Vipcomm)

Cristiano ataca paparazzi

Da ESPN Brasil
Cinco dias antes de sua apresentação oficial como atleta do Real Madrid, Cristiano Ronaldo mostra que continua com a perna calibrada. No entanto, não foi bem uma bola que o português chutou nesta quarta-feira. Irritado com o assédio, o jogador atacou o carro de um fotógrafo. De acordo com Ronaldo, o paparazzi o estava perseguindo e fotografando cada movimento dele e de sua mãe.

“Ele me seguiu de carro desde o Hotel Ritz. Eu estava com a minha mãe no carro, e ele filmou todas os nossas atos. Esta perseguição causou tal estado de perturbação e aflição na minha mãe, que me vi forçado a parar o carro para tentar convencê-lo a nos deixar em paz”, afirmou o astro à Gestifute, agência que o representa.

Apesar de parte da imprensa portuguesa noticiar que não havia nenhum fotógrafo no carro, apenas a jovem Sara Pardal, de 17 anos, em busca de um autógrafo do jogador, a versão oficial é de que a menor estaria acompanhada pelo paparazzi Hugo Martins. Levando a mãe de volta para casa, Cristiano teria parado para conversar com os ‘perseguidores’. Porém, sem acordo, o português teria se irritado e chutado o carro do fotógrafo. “Quando é minha mãe que está na causa, peço desculpas, mas não admito que ninguém a moleste”, concluiu Cristiano Ronaldo.

Frescura pouca é bobagem… Como diria o Góes, lá em Baião a gente chama para isso de … (bem, deixa pra lá).

Coluna: A mania de arranjar culpados

Imprensa não derruba técnico de futebol, nem demite jogador. Quando muito, ajuda. Quem contrata e dispensa é o presidente do clube. Não adianta tergiversar. A hora é de assumir total responsabilidade pelos atos praticados. Em entrevista à Rádio Clube, Luiz Omar Pinheiro disse que os comentários de Rui Guimarães influenciaram na decisão de afastar o técnico Edson Gaúcho. Ora, Rui comenta, opina, analisa. Mas não manda na vontade do presidente e nem nos destinos do Paissandu.
Em outras entrevistas, quase pândegas, à TV Liberal e ao SBT, o próprio Edson Gaúcho atribuiu sua queda “à perseguição” dos veículos do grupo RBA (DIÁRIO, Rádio Clube e TV RBA), tentando cativar as simpatias do torcedor cabeça-oca. Ao mesmo tempo, malandramente, fez média com o presidente, tirando-lhe a carga de responsabilidade pela decisão.
Conversa fiada. Todo mundo sabe que os veículos do grupo são campeões de audiência e até muito influentes, mas avaliar que têm o condão de demitir treinador em Belém é brigar com a realidade. Aliás, se tal coisa tivesse ocorrido, seria a morte definitiva do poder da cartolagem no nosso futebol – o que, convenhamos, está longe de acontecer.
O fato é que nenhum veículo é tão poderoso assim em relação aos clubes. Por incrível que pareça, as críticas e denúncias podem, eventualmente, enfraquecer a posição de alguma autoridade, demolir reputações e até derrubar presidentes da República, como se viu no impeachment de Collor de Melo. Nunca vi, porém, isso acontecer com técnicos de futebol.
Gaúcho foi criticado pelos erros que cometeu na condução do time e na incapacidade de reagir a uma situação adversa, como se viu sábado à noite, na derrota do Paissandu frente ao Luverdense. Nos jogos anteriores, seu trabalho já sofria questionamentos pela imensa dificuldade que o time mostrava para superar adversários de menor qualificação – casos de Sampaio e Rio Branco, no Mangueirão.
 
     
A verdade nua e crua é que, como sempre acontece nesses casos, o técnico caiu pelas suas próprias falhas e incoerências, jamais pela vontade de um ou outro cronista esportivo. Se estivesse vencendo e seu trabalho fosse impecável, não haveria força no universo capaz de afastá-lo do cargo.
Nas temporadas 2001 e 2002, Givanildo Oliveira dirigiu o Paissandu e travou encardidos embates com alguns setores da imprensa. Não cultivava o estilo gorila do Gaúcho, mas tinha desafetos. Acontece que, pela competência com que conduzia o time e as muitas vitórias que obtinha, jamais esteve ameaçado de demissão. Saiu, antes da Libertadores de 2003, porque quis.  
Portanto, não cabe ao treinador defenestrado ficar chorando pitangas e assumindo papel de vítima a essa altura. Ocorreu com ele o que é praxe em futebol, aqui ou nos Pampas. Na impossibilidade econômica de mandar todo o time embora, os clubes despacham o técnico. Simples assim. Nada mais natural. E nem mesmo a falsa valentia e os chiliques do personagem podem mudar essa realidade.

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO desta quarta-feira, 01)

Vasco aumenta jejum

O Vasco aumentou para seis o número de jogos sem vitória na Série B (a equipe ainda soma dois empates com o Corinthians, pela Copa do Brasil). O time carioca empatou sem gols com o Bragantino, em S. Januário, nesta terça-feira, na abertura da nona rodada do Brasileiro da Série B. São cinco empates, sendo quatro sem gols e todos dentro de casa. A péssima sequência mantém o Vasco na sexta posição, com 14 pontos. Os paulistas, que vinham de duas derrotas, estão na 11ª colocação, com 11.