Brasil campeão, de virada

765a2b38-b71e-3e8a-be39-150d48b4a334

De maneira sofrida, a Seleção Brasileira conquistou neste domingo o tricampeonato da Copa das Confederações. Depois de sair perdendo por 2 a 0, o time dirigido por Dunga virou e derrotou os Estados Unidos por 3 a 2, no Estádio Ellis Park, em Joanesburgo (África do Sul).

Com o resultado, o Brasil isolou-se como maior vencedor da história do torneio, que começou a ser disputado em 1992, superando a França, que tem dois troféus. A seleção verde-amarela foi campeã em 1997, ao bater a Austrália por 6 a 0, e repetiu a conquista em 2005, com goleada por 4 a 1 sobre a Argentina.

O grande herói do título foi o centroavante Luís Fabiano. Mesmo vindo de uma forte gripe, ele deu início à reação brasileira neste domingo e marcou os dois primeiros gols, terminando a competição com cinco, como havia prometido. O terceiro gol, que valeu o título, foi do zagueiro Lúcio.

Com o triunfo sobre os norte-americanos, o Brasil completa oito vitórias consecutivas. Essa série começou diante do Peru, no dia 1º de abril, pelas eliminatórias sul-americanas para a Copa do Mundo. Depois disso, o time de Dunga goleou o Uruguai, no Estádio Centenário, e bateu o Paraguai, em Recife.

Na África do Sul, o Brasil deu início à campanha 100% diante do Egito, em um sofrido triunfo por 4 a 3 sobre o Egito. Ainda na primeira fase, a seleção verde-amarela derrotou os Estados Unidos por 3 a 0 e repetiu o placar contra a Itália. Para chegar à decisão, o Brasil também havia passado sufoco nas semifinais. Diante da África do Sul, a equipe parou na forte defesa montada por Joel Santana e só marcou o gol da vitória por 1 a 0 aos 42 minutos do segundo tempo, em uma cobrança de falta de Daniel Alves. (Com informações da ESPN Brasil)

Deu Águia na cabeça

A Tuna Luso Brasileira venceu a terceira regata do Campeonato Paraense de Remo de 2009, disputada neste domingo (28) pela manhã na Baía do Guajará. A equipe cruzmaltina venceu 5 das onze provas disputadas, o Remo conquistou 4 e o Paysandu apenas 2. Com os resultados, a esquadra da Tuna segue na liderança com 15 primeiros lugares. O Paysandu continua em segundo somando agora 9 primeiros e o Remo acumula 7 vitórias na competição. (Com informações da Rádio Clube)

Coluna: A prevenção contra assaltos

O Internacional anuncia uma inédita coletânea (em DVD) dos erros de arbitragem que beneficiaram o Corinthians nos últimos anos e, principalmente, na atual Copa do Brasil. Claro que o clube gaúcho está recorrendo a esse expediente inusitado principalmente porque vem mal das pernas, não ganha há seis jogos e precisa derrotar o time paulista por três gols de diferença na partida final, marcada para o Beira-Rio. Em situação normal, o Colorado até ignoraria os equívocos que costumam favorecer o Corinthians.
Ocorre que, depois de acompanhar o vôo mais ou menos tranqüilo do Corinthians rumo às finais da competição, o Inter resolveu se antecipar e chamar atenção para o papel da arbitragem. Contra Atlético-PR e Vasco, o clube de Parque São Jorge foi claramente priorizado pelos árbitros em lances capitais, incluindo um pênalti do zagueiro Chicão quando o jogo com o Vasco no Pacaembu estava 0 a 0.
O marketing pesado – e os investimentos financeiros – em torno do atacante Ronaldo desde seu retorno aos gramados é outro item apontado pelos gaúchos como motivo de preocupação. Setores da afiada imprensa de Porto Alegre identificam uma espécie de pré-disposição para coroar a nova ressurreição do Fenômeno com um título de importância nacional.
Além das preocupações imediatas, o Inter tem fundados motivos para ficar com um pé atrás em relação aos árbitros brasileiros. É célebre o episódio verificado no Brasileiro de 2005, em jogo contra o mesmo Corinthians, quando Márcio Rezende de Freitas deixou de marcar um pênalti clamoroso de Fábio Costa sobre Tinga e ainda expulsou o meia colorado. O resultado foi decisivo para garantir a conquista corintiana (por exatos três pontos de vantagem).  
São comuns as falhas de marcação e as interpretações incorretas por parte dos árbitros. O universo do futebol já se habituou a isso e até incorporou como ossos do ofício. O problema é que, no Brasil, alguns clubes raramente são alvejados pela imperícia dos juízes. Desfrutam de certa blindagem e, em caso de dúvida, normalmente a decisão final lhes favorece. Flamengo e Corinthians, há décadas, são líderes absolutos nesse ranking particular de desigualdades.
Donde se conclui que os gaúchos, escaldados, não exageram em estrilar e gritar “pega ladrão” antes mesmo que o possível assalto se consuma. 
 
 
Caso jogue com a disciplina tática e a disposição feroz que apresentou na final da Copa América contra a Argentina, o Brasil não encontrará dificuldades neste domingo diante dos americanos, na decisão da Copa das Confederações. Os problemas só aparecem para Dunga e seus comandados quando o adversário fecha os corredores laterais e não abre espaço para o contra-ataque. Isso ocorreu contra a Bolívia no Rio e se repetiu contra a África do Sul. As lições devem ter sido assimiladas, até porque não é possível que o técnico queira depender novamente de um golpe de sorte, como a falta cobrada por Daniel Alves a três minutos do apito final.
De todo modo, mantenho a convicção de que zebras como a que vitimou a Espanha não se repetem com tanta freqüência. Por isso, Brasil campeão.   

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO deste domingo, 28)

Ficha técnica: Brasil x EUA

Final da Copa das Confederações

Johannesburgo, 15h30

BRASIL
Júlio César; Maicon, Lúcio, Luisão e André Santos; Gilberto Silva, Felipe Melo, Ramires e Kaká; Robinho e Luis Fabiano.
Técnico: Dunga

EUA
Howard; Spector, Onyewu, Demerit e Bornstein; Clark, Bocanegra, Feilhaber e Dempsey; Donovan e Altidore.
Técnico: Bob Bradley

Local: estádio Ellis Park, em Johannesburgo
Horário: 15h30
Juiz: Martin Hansson (SUE)

Já nem é Clube, é Seleção…

Jornada esportiva da Rádio Clube:

Brasil x Estados Unidos

Local: estádio Ellis Park, em Johannesburgo, 15h30

Narração: Ronaldo Porto

Comentários: Carlos Castilho

Reportagens: Giuseppe Tomaso

Terceiro Tempo: Paulo Fernando

Banco: Adilson Brasil e Fábio Scerni

 

Flamengo x Fluminense

Maracanã, 18h30

Narração: Valmir Rodrigues

Reportagens: Hailton Silva

 

TV RBA

Bola na Torre, 21h15

Guerreiro, Valmir, Gerson e Rui Guimarães

Gols de Espanha 3, África do Sul 2

Depois de perder nas semifinais de forma surpreendente para os Estados Unidos, a Espanha venceu neste domingo a África do Sul por 3 a 2, gol decisivo foi feito somente na prorrogação – o tempo normal acabou 2 a 2. Com a vitória, a equipe campeã da Europa assegurou o terceiro lugar da Copa das Confederações.