Dança para Muricy

dança
 
Do site da ESPN Brasil
A dançarina Indiana do Funk, fã declarada do técnico Muricy Ramalho, esteve no Centro de Treinamento do São Paulo nesta quarta-feira para se encontrar com o treinador. A tentativa da musa de ficar frente a frente com o treinador, no entanto, foi em vão. Ela foi barrada. A ‘história’ de Samara Leite com o comandante tricolor surgiu depois que em uma nota publicada na revista ‘Placar’ ela declarou: “Não sou maria-chuteira, mas adoraria dançar toda sensual para Muricy Ramalho”.

Ao tomar conhecimento das declarações da Indiana do Funk, Muricy respondeu aos risos. “Sei lá, talvez a minha simpatia tenha ajudado. Acho que é verdade o que ela está falando, sou muito carismático mesmo. Ganhei uma moralzinha aqui, mas tenho idade para ser pai dela. Ela deve ser muito forte no que faz”. Samara Leite promete tentar um novo contato com o treinador nesta quinta-feira, no Morumbi, quando o São Paulo enfrenta o Cruzeiro pela partida de volta das quartas-de-final da Libertadores. Segunda a assessoria da dançarina, ela quer desejar sorte ao técnico tricolor.

Desabafo de jornalista

Do Blog Idéias Publicáveis, de Alethéia Vieira:

aletheia

Esses dois pedaços de papel que as duas jovens da foto seguraram no ano de 2006, quando se formaram, foram conquistados. Joelma e eu fizemos o Trabalho de Conclusão de Curso juntas. Hoje, ela é assessora de comunicação da Mineração Rio do Norte em sua terra natal, Porto Trombetas, no oeste do Pará. Hoje, eu sou assessora de imprensa do senador José Nery e moro em Brasília.

Joelma saiu de Trombetas aos 18 anos para morar sozinha em Belém quando passou no vestibular da Universidade Federal do Pará. Não foi fácil. Mas ela conseguiu segurar todas as ondas e venceu. Ganhou projeção na empresa que estagiava, foi contratada e caminhou com garra até conquistar a vaga na MRN. Voltou para a terrinha vitoriosa e ao lado do homem da sua vida – coisa que também é difícil achar – mas até isso ela conseguiu!

Já eu, precisei renunciar a várias coisas por causa da Universidade. Um ano depois comecei a estagiar, aí começou o sufoco. Estudava de madrugada, virava final de semana para entregar trabalho no prazo. Muitas vezes deixei de sair com os amigos, ir ao cinema, coisas que uma jovem com seus 20 e poucos anos costuma fazer. Tudo para conseguir esse pedaço de papel. Era o meu grande sonho.

Joelma e eu entregamos o TCC aos trancos e barrancos, pois já atuávamos como profissionais em 2006. Eram dois expedientes de trabalho duro e mais a noite para pensar, ler e conceber o trabalho. Outro desafio. Superamos e tiramos conceito excelente.

Lembro bem. Fomos pegar o diploma juntas na UFPA. Me recordo do cheio do papel novo. Quando toquei, li meu nome, passou um filme na minha cabeça. Lembrei dos meus pais, de tudo que eles fizeram para eu conseguir aquilo.

Essa foto foi tirada pelo meu colega Felipe Blanco, um grande jornalista que também lutou pelo seu diploma. Essas e outras histórias de jornalistas que se formaram profissionalmente foram manchadas hoje por uma decisão do Supremo Tribunal Federal. Finalizo com uma frase clichê. Apesar de tudo, ministros, o sonho não acabou.

Em tempo: conheço a repórter Aletheia, tive a honra de trabalhar junto no próprio DIÁRIO e endosso sua indignação com essa decisão do STF – aliás, o simples fato de o principal tribunal do país julgar a validade de um diploma já é o fim da picada. Agora, a comparação que o Gilmar Dantas-Mendes fez de jornalista com cozinheiro foi simplesmente patética, coisa de quem não sabe o que diz.

Juninho no Al-Gharrafa

juninho

Do blog de Gilmar Ferreira

O meia Juninho foi apresentado nesta quarta-feira como novo reforço do Al-Gharrafa, do Catar. O jogador de 34 anos assinou contrato por duas temporadas, encerrando assim, definitivamente, o sonho da torcida do Vasco de vê-lo novamente com a camisa do clube. Antes de viajar para Doha, Juninho enviou mensagem ao gerente-executivo de futebol do Vasco, Rodrigo Caetano, pedindo desculpas por ter tomado decisão contrária aos interesses do clube. Jura que tem o Vasco no coração.

Palmeiras eliminado

palm

O Palmeiras não conseguiu furar o forte bloqueio defensivo do Nacional, na noite desta quarta-feira, em Montevidéu, e acabou eliminado da Taça Libertadores. Depois de empatar em São Paulo por 1 a 1, o time de Vanderlei Luxemburgo precisava vencer ou empatar por placares acima de 1 a 1 para se classificar. Apesar de o time uruguaio ter praticamente abdicado de jogadas ofensivas, o Palmeiras não teve criatividade para chegar ao gol. Lutou muito, correu, batalhou, mas o placar não foi movimentado. Mais um fiasco de Luxemburgo no torneio continental.

STF derruba diploma de jornalista

Do UOL

Por 8 votos a 1, os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiram na sessão desta quarta-feira (17) que o diploma de jornalismo não é obrigatório para exercer a profissão. Votaram contra a exigência do diploma o relator Gilmar Mendes e os ministros Carmem Lúcia, Ricardo Lewandowski, Eros Grau, Carlos Ayres Britto, Cezar Peluso, Ellen Gracie e Celso de Mello. Marco Aurélio defendeu a necessidade de curso superior em jornalismo para o exercício da profissão. Os ministros Joaquim Barbosa e Carlos Alberto Menezes Direito não estavam presentes na sessão.

Para o relator, danos a terceiros não são inerentes à profissão de jornalista e não poderiam ser evitados com um diploma. Mendes acrescentou que as notícias inverídicas são grave desvio da conduta e problemas éticos que não encontram solução na formação em curso superior do profissional.

O relator afirmou que a não obrigatoriedade do diploma não deve fechar os atuais cursos de jornalismo. Segundo Mendes, cursos de jornalismo são importantes para o preparo técnico dos profissionais e devem continuar nos moldes de cursos como o de culinária ou educação física, nos quais o diploma não é requisito básico para o exercício da profissão.

O único voto contrário no julgamento foi dado pelo ministro Marco Aurélio. Ele alegou que a exigência do diploma existe há 40 anos e acredita que as técnicas para entrevistar, editar ou reportar são necessárias para a formação do profissional. “Penso que o jornalista deve ter uma formação básica que viabilize a atividade profissional que repercute na vida dos cidadãos em geral”, afirmou.

Disputa jurídica
Os ministros analisaram um recurso extraordinário interposto pelo Sertesp (Sindicato das Empresas de Rádio e Televisão no Estado de São Paulo) e pelo Ministério Público Federal. O recurso do Sertesp contestava um acórdão do Tribunal Regional Federal da 3ª Região que afirmou a necessidade do diploma, contrariando uma decisão da primeira instância em uma ação civil pública. O Ministério Público Federal sustenta que o decreto-lei 972/69, que estabelece as regras para exercício da profissão de jornalista, incluindo a obrigatoriedade do diploma, não é compatível com a Constituição de 1988.

Em novembro de 2006, o STF garantiu o exercício da atividade jornalística aos que já atuavam na profissão independentemente de registro no Ministério do Trabalho ou de diploma de curso superior na área.

No último dia 30 de abril, os ministros do STF decidiram derrubar a Lei de Imprensa. Sete ministros seguiram o entendimento do relator do caso, Carlos Ayres Britto, de que a legislação, editada em 1967, durante o regime militar (1964-1985), é incompatível com a Constituição Federal.

Sertesp x Fenaj
Tais Gasparian, representante da Sertesp, afirmou durante julgamento que artigo do decreto-lei 972 apresenta incompatibilidade com artigos da Constituição Federal que citam a liberdade de manifestação do pensamento e o exercício da liberdade independentemente de qualquer censura. De acordo com Gasparian, a profissão de jornalista é desprovida de qualificações técnicas, sendo “puramente uma atividade intelectual”. A representante questionou qual o consumidor de notícias que não gostaria de receber informações médicas, por exemplo, de um profissional formado na área e não de um com formação em comunicação.
 
Fenaj defende diploma
Em carta ao Supremo Tribunal Federal e à Procuradoria Geral da República, o presidente da Fenaj (Federação Nacional dos Jornalistas), Sérgio de Andrade, defende o diploma para o exercício da profissão de jornalista. “São milhares de ‘profissionais’, sem formação técnica adequada, a coletar informações e a transmiti-las ao público, expondo e vulnerando a cidadania.”

Gasparian lembrou ainda que a obrigatoriedade do diploma foi instituída por uma junta militar que nem poderia legislar por decreto-lei. A ideia, defende a representante, era restringir a liberdade de expressão na época da ditadura, “estabelecendo um preconceito contra profissionais que atuavam na área”, afirmou. Gasparian citou ainda a impossibilidade de se exigir diploma de jornalismo dos profissionais que atuam em blogs ou outras ferramentas atuais da internet.

O Procurador-geral da República, Antônio Fernando de Souza, afirmou que o curso superior de jornalismo age como obstáculo à livre expressão estabelecida na Constituição. “A atividade exige capacidade de conhecimento multidisciplinar”, afirmou Souza, acrescentando que o diploma fecha a porta para outros profissionais transmitirem livremente seu conhecimento através do jornalismo. O procurador-geral afirmou ainda que o decreto-lei foi estipulado por um governo avesso à liberdade de expressão, visando afastar pessoas que se colocavam contrárias ao regime de então.

Do outro lado estava a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), favorável ao diploma. O advogado da entidade, João Roberto Fontes, afirmou que a não exigência do diploma significa uma precarização das relações trabalhistas entre donos de conglomerados e jornalistas. “Haverá uma proletarização ainda maior da profissão de jornalismo, uma vez que qualquer um poderá ser contratado ao ‘bel-prazer do sindicato patronal'”, afirmou Fontes. O advogado lembrou que a imprensa é conhecida como o quarto poder. “Ora, se não é necessário ter um diploma para exercer um poder desta envergadura, para que mais será preciso?”, questionou.

Grace Mendonça, em nome da Advocacia-Geral da União, citou a regulamentação em outras profissões para defender que o jornalismo também tenha suas exigências. Ao defender o diploma, Mendonça citou a figura do colaborador, que pode disponibilizar à sociedade seus conhecimentos específicos, e do provisionado, que poderá atuar em locais em que não haja jornalista formado. “A simples leitura do decreto, livre das circunstâncias temporais [do período do regime militar], não afronta a Carta da República. Seu conteúdo é constitucional”, finalizou Mendonça.

Considero um erro grave, para o exercício da profissão, a não obrigatoriedade do diploma. Na maior parte do país, teremos aventureiros de toda espécie metendo-se a trabalhar na profissão, já, por origem, tão sacrificada em termos de ganhos. Sem a formação específica, que já é deficiente, a situação ficará pior ainda. Nenhuma profissão séria pode abrir mão de formação acadêmica. E sou insuspeito, pois escrevo na condição de escriba sem diploma.   

Michel na mira dos cariocas

O meia Michel, grande revalação do último campeonato estadual, pode seguir a mesma rota de Aleílson e tentar a sorte num clube carioca. O mesmo grupo de investidores que levaram os jogadores do Águia para testes no Rio estariam lutando para desvincular o atleta do S. Raimundo. Caso seja liberado, o meia pode fechar com o América, dirigido hoje por Romário, ou com o Vasco. Se for para São Paulo seu destino poderá ser o Palmeiras. O contrato de Michel com o time santareno vai até dezembro de 2009 e inclui uma multa rescisória de R$ 50 mil. “Mas acertamos um aditivo com o Michel de prorrogação de contrato até dezembro de 2010 e uma multa de R$150 mil. Se ele for com o grupo de empresários do Rio de Janeiro, continuaremos com a multa anterior, de R$ 50 mil, pois eles devem deixar uma porcentagem do passe dele com o S. Raimundo”, explicou Sandicley Monte, diretor de futebol da Pantera. (Com informações do Bola)

Paissandu anuncia reforço

O meia Thiago Silva é o novo reforço do Paissandu para a disputa da Série C. A diretoria do clube anunciou a contratação na manhã desta quarta-feira. Thiago passou por grandes clubes como Palmeiras-SP e Atlético-MG. Paulista de São Bernardo-SP, jogou também pelo J. Malucelli-PR, Santa Cruz-PE, Ituiutaba-MG, Democrata/GV-MG, América-MG, Caxias-RS e Bragantino-SP. 

Nunca ouvi falar nesse Thiago. Como traz o carimbo do J. Malucelli, é do esquema de empresário. Tomara que surpreenda positivamente.

Adriana Behar em Ananindeua

Ananindeua recebe nesta quinta-feira, 18, a ex- jogadora de vôlei de praia Adriana Behar. Ela irá ministrar palestras para alunos, professores e diretores da rede pública de ensino, a partir de 10h, no Auditório da Secretaria de Educação. À tarde, Adriana vai ao Ginásio de Esportes João Paulo II encontrar-se com 60 alunos do Programa Bom de Bola, Bom de Escola.  A ex-atleta vai falar sobre sua carreira e incentivar os estudantes a participarem do Programa Bom de Bola, Bom de Escola, mantido pela Prefeitura Municipal de Ananindeua desde 2005.

Funtelpa explica transmissão

Nota expedida hoje pela Funtelpa:

A Fundação Paraense de Radiodifusão (Funtelpa) vem a público esclarecer algumas questões que vêm sendo veiculadas na imprensa a respeito do contrato número 011/2009, firmado com a Federação Paraense de Futebol.  
Em primeiro lugar, o contrato é resultante de uma série de reuniões com a instituição e representantes dos clubes que assinaram o acordo. As partes interessadas e seus advogados tiveram oportunidade de ler detalhadamente o conteúdo do contrato e, inclusive, fizeram suas sugestões de mudança, que foram acatadas.
 
Em segundo lugar, o contrato representa um estímulo aos clubes paraenses e visa o seu fortalecimento. A transmissão dos jogos dos campeonatos estaduais e nacionais da Série C é uma contrapartida aos recursos destinados aos oito clubes pelo Governo do Estado. Prova disso é que o Clube do Remo, mesmo sem estar jogando, também está recebendo integralmente pelo contrato. O valor de R$ 2 milhões e 580 mil, referente ao ano de 2009, já foi pago aos clubes, em duas parcelas, nos dias 15 de fevereiro e 15 de junho deste ano. Do total, R$ 940 mil foram destinados ao Clube do Remo e outros R$ 940 mil foram pagos ao Paissandu.
 
A ação democratiza o acesso ao esporte que é uma verdadeira paixão do povo paraense e fomenta a torcida tanto na capital, Belém, quanto no interior do estado, ao permitir que três milhões de paraenses, em mais de 40 municípios, possam assistir aos jogos do seu clube favorito, onde quer que estejam. Diante disso, em respeito a esse público, a Funtelpa esclarece que quaisquer pedidos de alterações no contrato devem ser apresentados pelos clubes formalmente, à Funtelpa, que analisará cada pedido.
 
Assessoria de Comunicação da Funtelpa

Em tempo: só faltou explicar como a transmissão foi feita para Belém sem a autorização do Rio Branco (AC).

Três guitarristas

Trailer do documentário It Might Get Loud, de Davis Guggenheim, sobre três guitarristas – Jimmy Page, The Edge e Jack White. Page é lendário pelo que fez no Led Zeppelin e The Edge, pela evolução no U2, mas particularmente tenho um pé atrás em relação a White, cuja obra é incipiente ainda, marcada pela parceria esganiçada com a irmã no White Stripes. Mas, de todo modo, um filme sobre guitarristas é sempre uma grande ideia.

Fica, porém, aquela pergunta no ar: cadê Clapton, Stone Gossard (Pearl Jam), Buddy Guy, Keith Richards, Mike Campbell (Heartbrakers), John Frusciante (Red H. C. Peppers), Mike McCready (Pearl Jam)? Todos esses aí põem Jack White no bolso.

Quem manda no futebol

balon

Por Harold Lisboa

Ricardo Teixeira, presidente da CBF, aparece em sexto lugar, à frente de Pelé, que é o 29º colocado. E Pelé está atrás de Dieguito Maradona, o 28º. Dunga está em 40º lugar. Esta é a lista dos 50 personagens mais influentes do futebol mundial, segundo a revista espanhola Don Balon. Inclui dirigentes, presidentes de clubes, treinadores, jogadores e ex-jogadores. Na lista, o único jogador em atividade incluído entre os 30 mais influentes é o argentino Lionel Messi.

Os critérios são estabelecidos a partir da influência local e global. E também se leva em conta a influência do cargo. Não há mais nenhuma dúvida de que Ricardo Teixeira foi demasiadamente influente na despachada de Belém como sub-sede do Mundial 2014.

Olha a lista:

1. Joseph Blatter, presidente da Fifa.

2. Michel Platini, presidente da Uefa e vice da Fifa.

3. Nicolás Leoz, presidente da Sul-Americana. .

4. Julio Humberto Grondona, presidente da AFA e vice da Fifa.

5. Ángel María Villar, presidente da Real Federación Española de Fútbol, vice da Uefa e vice da Fifa.

6. Ricardo Teixeira, presidente da CBF.

7.-Issa Hayatou, presidente da CAF e vice da Fifa.

8. Jack A. Warner, presidente da Concacaf e vice da Fifa.

9. Mohamed bin Hamman, presidente da Confederação Asiática de Futebol.

10. David Triesman, presidente da Federação Inglesa de Futebol.

 

Outras figuras em destaque:

16. Silvio Berlusconi, proprietário do Milan.

17. Franz Beckenbauer, presidente de honra do Bayern.

18. Malcolm Glazer, Joel e Avram Glazer, proprietários do Manchester United.

21. Joan Laporta, presidente do Barcelona.

22. Florentino Prez, presidente do Real Madrid.

23. Massimo Moratti, presidente do Inter de Milão.

24. Roman Abramovich, proprietário do Chelsea.

27. Karl-Heinz Rummenige, presidente do Bayern.

28. Diego Armando Maradona, técnico da Argentina.

29. Pelé, ex-jogador.

30. Lionel Messi, jogador do Barcelona.