Despedida de Valdo Souza

O Cartaz Esportivo desta sexta-feira, na Rádio Clube do Pará, normalmente tranquilo, desta vez foi especial e emocionante. Não apenas pelas notícias antecipadas sobre a definição das sub-sedes da Copa do Mundo. Foi inteiramente diferente porque marcou as despedidas de Valdo Souza, locutor que está partindo para outros desafios profissionais. 

Amigo dos amigos e grande caráter, Valdo se emocionou ao dar adeus a todos em pleno ar. Bem ao seu estilo, foi direto, simples e sincero nos agradecimentos. Trabalhou na casa, com competência e afinco, ao longo de 13 anos.

Daqui o meu abraço e os votos de êxito nas novas atribuições que terá na TV Record, onde já é apresentador.

Tribuna do torcedor

É Gerson,
Perdemos pra Manaus. A governadora não tem influência, mesmo sendo do partido do presidente. O coronel Nunes não tem influência frente ao Ricardo Teixeira, mesmo sendo “amigo” dele. Perdemos por politicagem.
Quando foi feita a vistoria em Belém e vendo a cara de poucos amigos do Ricardo Teixeira, deu pra perceber que desde ali Belém já estava fora. Em Manaus, ele era só sorrisos.
Pior é ter que aguentar a gozação do Juca Kfouri que em seu blog disse que ele já sabia que Manuas seria a escolhida e dizer que os paraenses quase invadiram seu blog por ele ter dito isso.
 
Leovegildo Neves

Baier reclama de Nelsinho

O meia-campista Paulo Baier concedeu uma entrevista coletiva nesta sexta-feira e explicou a discussão que teve com o treinador Nelsinho Baptista, na última quarta. Devido a estes e outros problemas, que Nelsinho não quis comentar, o treinador acabou entregando o cargo na última quinta-feira.

“Realmente tivemos uma discussão, mas foi uma situação normal do futebol. Nelsinho disse que eu estava fazendo corpo mole, e fez isso na frente dos outros jogadores, me senti humilhado. Eu pedi explicações, mas ele disse que se eu não estivesse satisfeito no Sport, que fosse embora”, disse Paulo Baier. (Com informações do Folhaonline)

No Flu, briga respinga em goleiro

Do Folhaonline:

O goleiro Fernando Henrique não enfrentará o Náutico, domingo, no Recife, em partida válida pela quarta rodada do Campeonato Brasileiro. Segundo a diretoria do Fluminense, ele foi afastado por conta da confusão da última terça-feira nas Laranjeiras. Ricardo Berna será o titular.

Ainda segundo a diretoria, Fernando Henrique estará à disposição do técnico Carlos Alberto Parreira para o clássico contra o Botafogo, no dia 7 de junho.

Na última terça-feira, um grupo de torcedores protestou contra o rendimento ruim do time nas Laranjeiras. Após o volante Diguinho ser atingido por um soco, Róbson Braga dos Santos, que seria amigo do goleiro, disparou dois tiros para o alto para encerrar a confusão.

Copa 2014: furo ou balão de ensaio?

André Aydano Mota, um dos repórteres que colaboram com o prestigiado blog de Ancelmo Góes no Globo On-line, jornalista veterano e dos mais respeitados, divulgou na tarde desta quinta-feira a lista das 12 cidades escolhidas como sub-sede da Copa de 2014, antecipando-se ao anúncio oficial da Fifa, marcado para domingo.

Segundo Aydano, as cidades eleitas são: Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Porto Alegre, Curitiba, Brasília, Cuiabá, Manaus, Fortaleza, Salvador, Recife e Natal. “O Rio, como se sabe, será o endereço da final, chance da definitiva reabilitação do Maracanã, após a derrota de 1950. São Paulo, está quase certo, fica com o jogo de abertura – Belo Horizonte sua a camisa no lobby para tomar o lugar dos paulistas. Cuiabá venceu Campo Grande, pelo prestígio político de Blairo Maggi, o governador do Mato Grosso. Manaus ganhou de Belém e Rio Branco o privilégio de ser a sede amazônica e Natal levou a última vaga, derrubando Florianópolis, por razões políticas e logísticas”, diz o repórter.

Bem, se Natal levou a vaga final por razões políticas e logísticas, fico a imaginar os motivos que teriam (sempre no condicional, afinal só a Fifa vai bater o martelo) feito Manaus suplantar Belém. Razões técnicas seguramente não foram, muito menos de acessibilidade e de identificação com futebol.

Belém tem um dos cinco estádios mais modernos do país, experiência em sediar jogos internacionais (Libertadores e Eliminatórias) e tem acesso privilegiado, inclusive por via rodoviária. Se confirmada a escolha, só mesmo o fator Ricardo Teixeira explicaria isso. E eu considerava que o peso do ex-genro de João Havelange não seria suficiente para impor uma derrota à candidatura de Belém.

Enfim, cabe esperar o anúncio oficial. A coordenadora do GT 2014, Lúcia Penedo, em contato com a Rádio Clube do Pará, mostrou-se confiante e recomendou cautela em relação a anúncios antecipados. Lembrou, com razão, que Ancelmo Góis já vinha noticiando há meses que Manaus tinha sido escolhida. Talvez seja apenas lobby, mas é fato que Ancelmo tem fortes ligações com Teixeira e canal privilegiado na obtenção de informações exclusivas junto à CBF.

Em telefonema, ainda durante o Cartaz Esportivo, na Clube, o ex-presidente do Remo, Rafael Levy, relatou um episódio que atesta a fina sintonia entre Teixeira e Ancelmo. Um jogador havia sido dispensado pelo Remo e Levy recebeu um telefonema do próprio Ricardo Teixeira, pedindo atenção especial ao caso, falando em nome de um grande amigo. O amigo em questão era Ancelmo Góis, que vinha a ser sogro do tal jogador. Em contato telefônico, na mesma noite, Levy tranquilizou o jornalista e, dias depois, a coluna registrava notas simpáticas ao Leão Azul paraense.

Portanto, Ancelmo sabe do que está falando. Minha única dúvida é se forças políticas não agirão ao longo das próximas 48 horas. É a esperança que resta a Belém. 

Mas, convenhamos, perder para Manaus, que é nota zero em paixão futebolística e nem estádio tem, é dose pra mamute.

Quando a abundância prejudica

4162416_xsimona_halep_esportes_369_480

Do Portal iG:

A romena Simona Halep, de apenas 17 anos, promete se tornar uma das sensação dos tênis mundial nos próximos anos. Mais do que o talento, ela se destaca pela beleza e… pelo tamanho dos seios. 

Os dotes naturais que tanto agradam os marmanjos, porém, incomodam a atleta. “Os seios me deixam desconfortável durante os jogos. É o peso que me atrapalha. Prejudica minha habilidade para reagir rapidamente aos golpes”, justificou.

Disposta a jogar o torneio de Wimbledon em 2010, Simona, que ocupa o posto 317 do ranking mundial, planeja uma cirurgia para diminuir os seios e ganhar agilidade. Os fãs, porém, não gostaram nadinha da decisão e fizeram até um abaixo-assinado online para impedi-la.

Realmente…

A verdade, às vezes, dói

Do blog de José Roberto Malia:

Mídia caolha. Desceu o porrete no técnico Joseph Guardiola quando dispensou Ronaldinho Gaúcho. Mas o Barcelona precisou de apenas 10 meses sem o brasileiro para conquistar a inédita tríplice coroa. Já o meia é reserva no Milan e perdeu a boquinha até no time dos anões de Dunga.

É fato.

Má fase mina poder de Muricy

Do Folhaonline:

O São Paulo precisa só de uma vitória por 1 a 0 contra o Cruzeiro na partida de volta das quartas de final da Libertadores, em seus domínios, para chegar à semifinal do torneio. Mas o revés diante do adversário mineiro, quarta-feira, provocou estragos no Morumbi.

O desembarque da equipe ontem, em Congonhas, evidenciou os problemas no grupo. Entre eles, o descontentamento de Borges com Muricy Ramalho, a tensão no elenco pela sequência de maus resultados e a espécie de ultimato do presidente, Juvenal Juvêncio, para quem o time precisa reagir logo no Campeonato Brasileiro.

Cercados pelos jornalistas, Borges voltou a acuar Muricy. “Não tenho que repensar nada. Fui artilheiro do time nas duas últimas temporadas. Sou artilheiro da equipe na Libertadores, com cinco gols em cinco jogos. Agora, não adianta nada falar que você é artilheiro, que é decisivo e tirar. Mas quem tem que explicar isso [a barração contra o Cruzeiro] não sou eu. Quero ir logo para casa descansar e conversar com minha família”, comentou o jogador, que só entrou contra o Cruzeiro no segundo tempo do jogo.

A declaração de Borges respingou em Juvenal Juvêncio, que esteve em Minas com a delegação. “Não ouvi a entrevista dele [Borges], mas sei que ele falou [com a imprensa]. É um assunto bem espinhoso. Nós vamos conversar”, comentou o dirigente são-paulino.

Outro ponto nervoso é o relacionamento desgastado que o técnico Muricy Ramalho tem com parte da diretoria. Bancado exclusivamente por Juvenal Juvêncio, o comandante ouviu até mesmo o mandatário são-paulino reclamar do desempenho da equipe nesta temporada em entrevista concedida no CT da Barra Funda na última terça-feira, antes da derrota para o Cruzeiro no Mineirão.

“O São Paulo ainda não me agradou em 2009. Tem um elenco forte e competitivo, mostrou eficácia no clássico contra o Palmeiras – no último domingo – e espero que essa eficiência se acentue”, comentou, então, o dirigente.

Outra contestação no clube é a performance dos reforços pedidos por Muricy. Dos três jogadores que vieram do Fluminense, só Washington é titular absoluto. E, mesmo assim, tem revezado boas e más atuações. Arouca e Júnior César são apenas opções. Outra cara nova (Wagner Diniz, ex-Vasco) chegou a ser oferecido como moeda de troca na negociação com o santista Fabiano Eller, que não se concretizou.

Inter ensina a valorizar o torcedor

Qualificar a relação entre o clube e o torcedor, seu principal cliente. Este conceito, que exposto assim dessa maneira parece até discurso de aprendiz de marqueteiro, tem sido a alavanca de todo o gigantesco processo de crescimento do Internacional, campeão do mundo e sério candidato a melhor time do Brasil no ano de seu centenário.
Atento às deficiências crônicas da relação com o torcedor comum, o clube investiu a partir de 2006 cerca de R$ 1,5 milhão em câmeras e equipamentos de monitoração no estádio Beira-Rio. É um trabalho que merece visibilidade e deveria servir de exemplo para as demais agremiações brasileiras, inclusive as nossas.
O investimento em segurança permite ao Inter identificar com absoluta precisão as áreas de estrangulamento nas arquibancadas, fechando os portões quando um setor está lotado e prevenindo tumultos. Ao mesmo tempo, exerce vigilância total sobre a ação de torcedores nas dependências do estádio, como na Europa, com a implacável varredura eletrônica.
Ao mesmo tempo, ordenou a venda de ingressos, que continua a ser o grande calo em todas as grandes cidades brasileiras – Belém no meio, obviamente. Em torno do Beira-Rio, as filas minguaram nos últimos cinco anos. E os cambistas não têm mais vez.
Ao contrário do que normalmente acontece nos demais clubes brasileiros, o Inter prioriza de fato o sócio-torcedor, que tem prioridade na compra de ingressos (com descontos ou até gratuitamente). O excedente é colocado à venda, mas sem baderna e de forma controlada.
Não por acaso é o único clube de ponta no país que pode alardear que tem um projeto de valorização do torcedor, contabilizando 80 mil associados. Quem dispõe de um patrimônio de contribuintes desse porte tem receita que permite executar ações no presente e planejar o futuro, sem depender do mercado de jogadores. Por isso, ao mesmo tempo em que revela craques como Taison, o Inter pode importar estrelas como D’Alessandro.  
 
 
Quanto às torcidas ditas organizadas, disfarce habitual de gangues de delinqüentes, o Inter resolve o problema dentro dos limites da lei. Cadastra os integrantes das facções coloradas, filtrando naturalmente os verdadeiros torcedores, dispostos a incentivar o time. Mais importante: a diretoria não banca os ingressos dessas torcidas, o que desestimula o aparecimento de “líderes” oportunistas e interesseiros.
O resultado imediato dessa medida foi a completa inibição dos atos de violência no estádio Beira-Rio e arredores. A estatística nacional indica a ocorrência de 14 mortes de torcedores nos últimos três anos. No estádio do Inter, esse índice é rigorosamente zero, inclusive quanto a brigas e conflitos no entorno do estádio.  
Como efeito direto do saneamento feito pelo clube nessa área, quintuplicou o número de mulheres que participam hoje ativamente da vida do clube, como sócio-torcedoras e freqüentadoras fiéis dos jogos. Nesse caso, além de aumentar a quantidade de sócios contribuintes, o Inter ficou com uma massa torcedora bem mais bonita.

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO desta sexta-feira, 29/05)

À espera do anúncio oficial

blatt_ex_co_new_6259_sq_small

Rueda de prensa en directo del Comité Ejecutivo

(FIFA.com) Viernes 29 de mayo de 2009

La conferencia de prensa posterior al Comité Ejecutivo de la FIFA se transmitirá en directo en FIFA.com el domingo 31 de mayo desde Nassau a partir de las 15.00 hora local (21.00 CET) y destacará los temas debatidos en la reunión.

En el orden del día del Comité Ejecutivo de la FIFA en Nassau, presidido por Joseph S. Blatter se anunciarán las 12 ciudades que albergarán partidos de la Copa Mundial de la FIFA Brasil 2014, los preparativos para la Copa FIFA Confederaciones Sudáfrica 2009 y todo lo relacionado con el 59º Congreso de la FIFA.

Visita FIFA.com el domingo 31 de mayo para ver la rueda de prensa del Comité Ejecutivo, una de las reuniones cruciales de la agenda 2009.

Em espanhol, notícia postada hoje no site oficial da Fifa (www.fifa.com) sobre a agenda da conferência de imprensa que o chefão Joseph Blatter vai conceder, domingo, em Nassau, às 15h. Destaque para o assunto que nos interessa: a definição das 12 sub-sedes brasileiras na Copa de 2014.

Insisto: apesar de uma forte torcida contra, vamos levar essa.