Na Série C, a bola é um problema

Terceira divisão é dureza em qualquer país do mundo. Mas no Brasil tem situações na Série C que parecem brincadeira. Os clubes participantes enfrentam neste começo de competição um problema prosaico: não há bola para os treinamentos. É que a bola oficial do torneio só vem na conta certa para os jogos (cinco unidades) e não sobra nada para que os times treinem e se acostumem ao peso da bola. O pior da história é que, em Belém, cada bola está saindo pelos olhos da cara, quase R$ 500,00. E a endinheirada CBF não se coça…

Série C pode ter TV aberta

Na manhã de ontem, representantes de 16 dos 20 clubes da Série C do Campeonato Brasileiro estiveram reunidos no Rio de Janeiro com Zé Neves, presidente da Futebol Brasil Associados (FBA), quando elaboraram uma série de reivindicações que seria entregue para Ricardo Teixeira, presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).
Somente quatro clubes não enviaram representantes ao evento (ASA-AL, Caxias-RS, Mixto-MT e Sampaio Corrêa), mas, segundo Neves, os mesmo estão de acordo com o que foi proposto pelos clubes que compareceram à reunião. De acordo com o presidente da FBA, uma das novidades pode ser a transmissão por TV aberta da competição nacional. 
“Os clubes aprovaram que o presidente do Gama-DF, Paulo Goyaz, fosse o representante para negociar com a Record a transmissão da Série C. Só resta aguardar a aprovação da CBF para começarem os acertos referentes aos jogos na TV aberta”, disse Zé Neves.Caso a CBF autorize a negociação,os jogos seriam transmitidos aos sábados e às segundas feiras, ambos à noite.

Rodoviários voltam ao trabalho

Acordo firmado na tarde desta quinta-feira, no TRT, pôs fim à greve dos rodoviários de Ananindeua e Marituba, que já durava três dias. Discutindo sobre os dias parados, o grande impasse entre as categorias, foi aceita a proposta da presidência do tribunal no sentido das partes dividirem o ônus, ou seja, dos três dias de movimento grevista, as empresas representadas pela Federação pagarão o correspondente a um dia e meio e descontarão um dia e meio dos trabalhadores. A proposta foi aceita pela categoria profissional, desistindo a Fetranorte da ação declaratória de abusividade de greve. (Mais detalhes na edição do DIÁRIO desta sexta-feira, 29/05)

Substituições no escrete

O zagueiro Miranda, do São Paulo, e o meio-campista Kléberson, do Flamengo, foram convocados para a Seleção Brasileira para os jogos contra Uruguai e Paraguai, válidos pelas eliminatórias da Copa do Mundo de 2010, e para a disputa da Copa das Confederações 2009, na África do Sul. Eles ocuparão as vagas do zagueiro Alex, do Chelsea, e do meio-campista Anderson, do Manchester United.

Detalhe: Kléberson não é sequer titular absoluto do Flamengo. Mas, pelo menos, o lobby pró-Chicão não colou. E tem a tremenda vantagem de usar o Miranda, que comete pênalti mas os árbitros não marcam.

Habeas corpus contra pênalti

Pau puro. Assim foi Cruzeiro e S. Paulo na noite de quarta-feira. Os dois times abriram a caixa de ferramenta. E o árbitro segurou os cartões, principalmente no lance em que Richarlyson acertou um pontapé em um jogador do Cruzeiro caído. Levou amarelo, mas saiu no lucro. E Miranda cometeu outro pênalti (o terceiro), sem que o juiz marcasse. Derrubou Kléber na área e ficou por isso mesmo.

O bom zagueiro tricolor parece com habeas corpus preventivo nesse tipo de jogada.

Aí vem o ex-tricolor Caio, um dos jogadores mais afortunados do futebol brasileiro (não jogava nada e só vestiu camisa de grande clube, inclusive da Inter de Milão), e comenta na TV que o lance foi normalíssimo. É um Neto mais alfomadinha, digamos assim.

Depressão vira doença de boleiro

Lúcio Flávio volta ao Botafogo pela metade do salário que recebia, sem jogar, no Santos. Ganhava R$ 120 mil. O Botafogo propôs R$ 60 mil. Ele aceitou. Não aguentava mais a vida em Santos, não se adaptou à Vila Belmiro, não conseguiu mostrar o bom futebol de antes e não cativou o técnico Vagner Mancini.

O problema é que, para liberar o meia, o Santos exigia uma contrapartida. Queria o lateral Alessandro, mas o Botafogo não cedeu. O negócio acabou saindo porque a direção do Peixe se comoveu com o drama de Lúcio Flávio. Como Adriano, o meia revelou que estava à beira de uma depressão. Pareceu sincero. Os santistas acreditaram e resolveram aceitar sua saída.

Nelsinho deixa o Sport

Nelsinho Batista, campeão da Copa do Brasil 2008, pediu demissão na tarde desta quinta-feira do comando técnico do Sport-PE. Não resistiu ao desgaste causado pela eliminação da Taça Libertadores. E olha que o Sport foi eliminado pelo Palmeiras, nos pênaltis. Um resultado inteiramente normal. Mas times de massa não perdoam esse tipo de frustração.

Como calar um cartola fanfarrão?

Do blog de Cosme Rímoli:

Paulo Autuori é um dos treinadores mais discretos do Brasil. Detesta trazer atenção desnecessária a ele e ao seu time. Ele assumiu o Grêmio depois de muita luta da diretoria. Os dirigentes insistiram como puderam para que voltasse do Oriente Médio. E lhe entregaram uma equipe montada.

O interino Marcelo Rospide seguiu a estrutura articulada por Celso Roth. Autuori não se limitou a ir pelo caminho traçado, andar pela linha pontilhada. Tratou de segurar os laterais, dar mais liberdade ofensiva para Souza e Tcheco. Valorizar mais a posse de bola. E não se deixou empolgar pelo favoritismo contra o Caracas, ontem.

Sabia que o time venezuelano sabia usar muito bem o seu estádio. Gostou do empate em 1 a 1, basta uma simples vitória no Olímpico e a semifinal da Libertadores. Tudo bem trabalhado, sutil. Estava assim.

Até que o presidente Duda Kroeff resolveu seguir com o seu marketing pessoal. Como Zagallo e seu entusiasmo ufanista, ele puxa a força os holofotes e traz desnecessária pressão ao time. Duda insiste em uma desnecessária contagem regressiva para o time ser campeão da Libertadores. Mostrando que sabe contar, o presidente mostra a mão e diz aos torcedores: ‘só faltam cinco jogos’.

Autuori coça a cabeça, finge que não percebe, não quer o confronto interno. Faz só o que pode. Proibiu os seus jogadores de entrarem na contagem regressiva. Se pudesse, o treinador daria um sonífero ao presidente. Para que ele só acordasse depois da Libertadores. Como não pode, fará ouvido de mercador.

Já percebeu que ninguém cala Duda Kroeff…

Consciência e responsabilidade

Da Agência Unama:

A Agência de Notícias dos Direitos da Infância (ANDI) lançou na última semana, a 4ª edição do Programa InFormação, iniciativa que premia estudantes de comunicação de todo o país que estejam produzindo seus Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC) sobre infância e adolescência.
A premiação corresponde a uma bolsa mensal durante seis meses, no valor de R$ 350,00. Os interessados em participar devem se inscrever até o dia 15 de julho, no site www.informacao.andi.org.br
As bolsas de estudos estão disponíveis a alunos que elaborarem seus TCCs focados na relação entre a comunicação e a agenda social brasileira. Podem concorrer às bolsas estudantes de graduação de quaisquer instituições de ensino superior do Brasil.

Tribuna do torcedor

Caro amigo, venho por meio deste lhe informar que no jogo de domingo eu entrei pelo estacionamto A2, sendo que cheguei só no segundo tempo pois eu estava trabalhando como fiscal na prova do Ministerio da Fazenda. Ao chegar no estacionamento, eu perguntei se tinha lugar pra colocar meu caro e se tinha ingresso. A moça que me atendeu disse que havia, sim. Nesse momento chovia muito. Então entrei e, pra minha surpresa, ela me cobrou sete reais do estacionamto e quinze da entrada. Eu perguntei: mas cadê o comprovante de estacionamento e cadê  o ingresso? A mesma disse “não precisa, pois você pode entrar ali naquele portão” (portão ao lado da catraca). Assim entrei. Sei que fiz o errado, mas queria muito ver meu Papão e é assim que a evasão de renda acontece. Se você quiser, no próximo jogo, coloque uma câmera escondida em uma pessoa e deixe ela tentar entrar no Mangueirão sem ingresso e verá como é muito fácil as pessoa ficarem ricas à custa de Paissandu e Remo!

Atenciosamente,
Iderson de Carvalho Pereira