Onde o vento faz a curva

Recebo a informação de que o governo do Estado executará obras de recuperação dos 70 quilômetros da Alça Viária, entre a saída do município de Marituba até o trevo da PA-151, na entrada de Barcarena.

Deverão ser usadas cerca de 6 mil toneladas de asfalto na primeira fase da obra, que vai durar 90 dias. A Secretaria de Estado de Transportes (Setran) pretende repavimentar toda a extensão da Alça Viária, incluindo a melhoria do acostamento. A segunda fase das obras deve se estender até o final do ano, em investimento total de R$ 30 milhões.

Do trechinho poeirento e esburacado entre Mocajuba e Baião, que é bom, neca-neca, como diria o grande Jaime Bastos.

Quem banca a marra de Juan?

Queria saber quem segura as pontas de Juan no Flamengo. Ou melhor, em que ele se fia para agir de forma tão marrenta.

O lateral-esquerdo, que nem é toda essa brastempo, parece desfrutar de alto prestígio junto aos dirigentes. Normalmente, só esse tipo de cartaz justifica postura tão desafiadora.

Já criou encrenca com o preparador físico, arranjou confusão em jogos (como naquele clássico com o Botafogo, após levar um drible de Maicosuel) e agora peita o técnico Cuca, a três dias de um jogo decisivo pela Copa do Brasil.

Pelo andar da carruagem flamenguista, como ocorreu com Bruno – que desrespeitou Andrade, um dos heróis rubro-negros –, Juan deve ser perdoado e tudo ficará por isso mesmo.

Mas o precedente é altamente perigoso.

Estudos para modernizar o Mangueirão

Da Agência Pará, do governo do Estado:

A governadora Ana Júlia Carepa recebe nesta terça-feira (19), às 15h30, no Palácio dos Despachos, o estudo de pré-viabilidade do Estádio Olímpico Edgar Proença, o Mangueirão, e o relatório final da consultoria da candidatura de Belém à sub sede da Copa do Mundo de 2014.

A apresentação do trabalho será feita pela coordenadora do Grupo de Trabalho (GT) Copa-2014, Lúcia Penedo, e equipe da empresa Price Waterhouse Coopers (Price).

O estudo de pré-viabilidade é uma das exigências da Federação Internacional de Futebol (FIFA) e deve ser entregue até final de junho. A maioria das cidades candidatas ainda não iniciou a elaboração do documento. A capital do Pará saiu na frente.

Adiada estréia do Mundico na Série D

Do repórter Juscelino Ferreira para o DIÁRIO:  

O jogo de estréia do São Raimundo na quarta divisão do Campeonato Brasileiro (Série D) que estava marcado para 05 de julho foi transferido para o dia 07 do mesmo mês. A mudança ocorreu porque o estádio Barbalhão vai sediar, entre os dias 03 e 05 de julho, um congresso evangélico promovido pela Igreja da Paz.

Apesar dos esforços feitos pela diretoria do clube para tentar manter a data do jogo, a igreja acabou levando vantagem, porque havia programado seu evento antes mesmo da elaboração da tabela do campeonato. Além disso, o congresso já faz parte do calendário cultural de Santarém há mais de 10 anos.  

O adversário do representante santareno é o Moto Clube do Maranhão que até o momento não se pronunciou sobre a mudança. Com a nova data, a partida será realizada na terça-feira (07), a partir das 20h30. Para a maioria dos torcedores do São Raimundo, a mudança de data é uma falta de respeito para com o futebol santareno, pois entendem que o estádio não deveria ser cedido para eventos religiosos.

“Eu não concordo com isso que fizeram com o São Raimundo, pois campo de futebol é lugar para se jogar bola e não para se fazer congresso de igreja”, disse o torcedor Douglas Oliveira.

Achando o Remo

Júnior; Neto, Bruno Oliveira, San e Levy; Ramon, Marlon, Diego Maciel e Gegê; Helliton e Alessandro.

Se fosse jogar hoje, a formação titular do Remo seria esta aí de cima, para amistosos no interior do Estado.

O técnico ainda é incerto. Dirigentes falam em Sinomar Naves, mas pesa contra ele a goleada histórica (9 a 0) sofrida pelo Paissandu na Série B, em 2007, contra o Paulista de Vagner Mancini. Outra possibilidade é Victor Jaime.

Copa de 2014: Manaus ou Belém?

Reproduzo comentário enviado pelo Alex Bernardes, sobre a candidatura de Belém a sub-sede da Copa do Mundo de 2014:

Sou leitor assíduo de sua coluna no Bola e tenho uma crítica construtiva ao papel da imprensa paraense na questão de Belém como sede da Copa.

Assistindo ao Bola na Torre, observei os comentários de que, pelos critérios técnicos, Belém teria que ser a sede, dando a entender que caso Manaus seja escolhida terá sido por razões políticas. Ora, as duas capitais têm tecnicamente vantagens e principalmente desvantagens. No entanto, se a Fifa quer uma sede amazônica é arrogância nossa achar que essa bandeira nos cabe melhor.

Acho que está faltando muita coisa à campanha, inclusive foco mais qualificado da imprensa, com seu importante papel de cobrar e fomentar debate.

Manaus é sim, há muito tempo, sinônimo de Amazônia pelo mundo e no Brasil. Sempre estivemos atrás nesse quesito e isso nunca foi problematizado com a importância que deveria. Os manauras com competência exploraram essa sua virtude e nós não corremos contra o prejuízo, marketing zero para aliar com solidez a nossa imagem à Amazônia.

Basta buscar informação sobre o perfil do turista que vem ao Círio, por exemplo (nacional e a maior parte ligados ao turismo religioso), e o que vai a Manaus. Quando um estrangeiro pensa em conhecer a Amazônia, as operadoras de turismo e sites e veículos de comunicação no Brasil e pelo mundo relacionam mais contundentemente Manaus.

O turista de lá vai para conhecer a Amazônia. Muitos nem sabem que Belém existe. E falo com propriedade, pois tenho parentes no exterior e em operadoras de turismo.

Fazer um estádio em cinco anos (caso de Manaus) é mais fácil que mudar a estrutura de uma cidade e principalmente sua imagem.

Oras, não adianta no momento satisfazer melhor determinados critérios técnicos se o principal não atentamos: para a sede na Amazônia a maioria do mundo não nos reconhece como sinônimo de Amazônia.

Manaus pode correr atrás do que perde para nós (estádio principalmente), mas jamais conseguimos nem mesmo perceber com propriedade a importância do quesito em que perdemos de goleada para eles.

Residem aí os motivos de nossa provável derrota: falta de foco adequado de todos, inclusive da boa imprensa esportiva paraense, sinceramente, nessas condições, nunca tivemos chance.

Só um desabafo.

Alex levanta pontos interessantes, principalmente quanto ao marketing e à melhor utilização da imagem de Manaus como “cidade amazônica”.

Aceito a crítica, até porque sempre me posicionei com otimismo sobre a candidatura belemense. Claro que erros foram cometidos ao longo da campanha, como a falta de um especialista em esportes para coordenar o grupo de trabalho instituído pelo governo Estado.

Quanto aos aspectos técnicos, enfatizados em favor de Belém, mantenho a convicção de que as chances da capital paraense são maiores. Pelo simples fato de que futebol é tradição, presença de torcida e praça adequada.

Belém tem tudo isso, além de ser privilegiada quanto ao acesso – rodoviário, aéreo e marítimo. É uma batalha e tanto, acirradíssima do ponto de vista político, mas nunca perdi o otimismo.

De mais a mais, em termos de prestígio, Belém tem seus trunfos. Se Manaus tem a declarada simpatia de Ricardo Teixeira (amigão do coronel Nunes), a Cidade das Mangueiras conta com o voto declarado do presidente Lula e do presidente da Vale, Roger Agnelli, que aparece como um dos patrocinadores da competição. Acho que ambos pesam mais na balança.  

E, em caso de insucesso, entendo que, do ponto de vista futebolístico, será um absurdo sem tamanho.

Grêmio vai à Fifa contra arbitragem

Do UOL Esporte:

A revolta do Grêmio com a arbitragem de Wilson Luiz Seneme não se limitará às reclamações feitas após a partida de sábado, contra o Atlético-MG, derrota por 2 a 1 com um gol de pênalti já nos acréscimos da partida. O clube gaúcho fará sua queixa chegar até à Fifa.

Na manhã desta segunda-feira, dois dias depois do jogo realizado no Mineirão, em Belo Horizonte, o vice-presidente de futebol gremista, André Krieger, declarou “vamos fazer um relato, contando aquilo que acontece e não sai normalmente na imprensa, e levar não apenas à Comissão de Arbitragem, mas também enviar uma cópia para a Fifa”.
Krieger acrescentou que é importante levar ao conhecimento da Federação Internacional detalhes sobre “a postura pouco recomendável desse árbitro, que agride moralmente, verbalmente, e humilha os atletas”.
O Grêmio reclama do pênalti no último instante, numa bola que segundo a visão do clube teria tocado no braço de Joílson sem que esse tivesse intenção de cometer o pênalti, mas principalmente pela postura agressiva de Seneme.

Tudo começou com aquela palhaçada do Flamengo, protestando, no ano passado, contra Carlos Eugênio Simon, por um suposto pênalti sobre Diego Tardelli em jogo contra o Cruzeiro, também no Mineirão. A TV mostrou as imagens de outro ângulo, comprovando que Tardelli deu uma trombada no zagueiro cruzeirense.

Fico imaginando o que o Grêmio faria se tivesse sido garfado em 12 lances de área (pênaltis, impedimentos não marcados, gols anulados), como foi o Botafogo no Brasileiro de 2007. É provável que houvesse uma revolução nos Pampas.

Jadel pode desfalcar Grand Prix

O triplista paranaense Jadel Gregório, vice-campeão mundial em Osaka 2007 e finalista em Pequim 2008, pode ser o principal desfalque brasileiro no 25º Grande Prêmio Brasil Caixa Governo do Pará de Atletismo, no próximo domingo, 24, no estádio Edgar Proença.

Jadel voltou da Europa no sábado (16) à noite e informou que, por estar contundido, não poderia competir no GP do Rio de Janeiro, realizado no último domingo. Ele explicou que sofreu uma contratura muscular na parte posterior da perna direita durante sua preparação na Europa.

Papão ainda busca reforços

Apesar do discurso ensaiado do técnico Edson Gaúcho, que vive afirmando que o grupo atual é suficiente para a disputa da Terceira Divisão, a diretoria do Paissandu age em sentido oposto.

Os dirigentes estão tentando fechar a contratação do lateral Boiadeiro, que teve boa participação na Série C do ano passado.

E também fazem contatos com Landu, ex-Remo, que pode ser anunciado ainda nesta semana.

Outra especulação diz respeito a Geovani, ex-Barcelona, que disputou o Paulistão pelo Mogi Mirim, de seu amigo Rivaldo.

Os dois primeiros são viáveis, mas a história envolvendo Geovani cheira a factóide.

O meia já disse, claramente, que não pretende jogar mais por nenhum clube paraense.