Os desafios amazonenses para a Copa

Os aspectos da infra-estrutura que o Amazonas deve priorizar para poder sediar uma das chaves do campeonato serão o foco das discussões do evento “Desafios de Manaus para sediar a Copa de 2014”. Questões relacionadas à mobilidade urbana, corredores de ônibus, acesso ao aeroporto e ampliação da rede hoteleira, entre diversas outras, serão debatidas por especialistas e autoridades nesta quinta-feira, 14 de maio, a partir das 9h00, no Auditório da FIEAM.

O seminário faz parte de um ciclo de eventos que teve início em Salvador e já passou por Belo Horizonte, Recife, São Paulo, Porto Alegre, Florianópolis, Goiânia, Rio de Janeiro, Curitiba, Fortaleza, Belém, Brasília e Natal. Em todas as capitais, o Sinaenco reúne especialistas e governantes para discutir quais os principais obstáculos que devem ser ultrapassados para que a cidade cumpra bem seu papel de anfitriã de uma chave da Copa do Mundo.

“Nossa intenção é levantar os projetos e obras essenciais à boa realização da Copa, visando a um planejamento feito com a necessária antecedência”, afirma José Roberto Bernasconi, presidente nacional do sindicato.

Estão previstas as participações do secretário de Planejamento do Amazonas, Denis Minev, do secretário de Esporte do AM, Júlio César Soares da Silva, do consultor da GMP, Ralf Aman, do consultor da Deloite, Osmar Aguiar, e do secretário de Esporte de Manaus, Fabrício Lima, além dos presidentes do Sinaenco, Sinduscon, Crea-AM e FIEAM.

4 comentários em “Os desafios amazonenses para a Copa

  1. Quando o assunto é a copa do mundo eu como paraense nascido no belo municipio de vigia torço e muito pela escolha da nossa cidade de belem.
    porem fico desanimado ao ver as nossas autoridades que fizeram ate um grupo g nao sei da quantas parecem totalmente tranquilos , sorridentes. Fico a pensar ou eles ja jogaram a toalha ou ja sabem que belem foi a escolhida.

    so o tempo dirá.
    abraço.

  2. Acho difícil Belém conseguir a vaga para ser uma das sub-sedes da Copa do Mundo de 2014. Apesar de achar que Belém tem muitos pontos favoráveis em relação a Manaus, como um futebol profissional mais atuante, um estádio em condições, uma rodovia que liga a cidade a praticamente qualquer local do país e torcidas vibrantes, não tem um lobby como o de Manaus. Além disso, o projeto do “Novo” Mangueirão é o menos arrojado de todos os projetos de estádios para a Copa, ao passo que o de Manaus é faraônico.

  3. Gerson, será q existe alguma chance da Amazônia ter 2 sedes? Digo isso pois, como são 17 candidatas, acredito que Natal, Goiânia, Cuiabá, Florianópolis e Rio Branco tem mais chances de ficar de fora.

Deixe uma resposta