Nada feito entre Fla e Cruzeiro

Como já havia informado o Matheus Lima em outro post, melou a troca de Zé Roberto por Wellington Paulista que o Flamengo havia proposto ao Cruzeiro e chegou a anunciar na tarde desta segunda-feira.

O problema é que esqueceram de combinar com os principais envolvidos. Zé Roberto pediu alto para jogar no Cruzeiro e Wellington prefere ficar em Belo Horizonte.

Pegou mal para o boquirroto Kleber Leite, que publicamente desqualificou sua mercadoria, dizendo que Zé Roberto não mostrou futebol no Fla.

Confirmado: S. Paulo avança às quartas

S. Paulo e Nacional do Uruguai, que deveriam enfrentar Chivas e San Luis, respectivamente, estão automaticamente classificados às quartas de final da Libertadores.

A decisão foi anunciada pela Conmebol aos clubes, através de ofício, na noite desta segunda-feira. O documento foi registrado no site oficial do Tricolor.

A entidade se decidiu após receber um comunicado da Federação Mexicana de Futebol, informando a retirada dos clubes mexicanos da competição, por não concordar com a determinação de jogo único para cada confronto, em S. Paulo e Montevidéu.

Os jogos que seriam realizados no México foram inicialmente adiados por causa da epidemia da nova gripe que assola o país.

Posteriormente, os duelos em solo mexicano foram cancelados e a Conmebol determinou a realização de um jogo só para decidir cada classificação, no dia 20 de maio.

Chivas e San Luis não aceitaram a medida e se retiraram da Libertadores.

O adversário do S. Paulo vai sair do cruzamento entre Cruzeiro e Universidad do Chile.

Fla e Raposa trocam ex-alvinegros

Confirmada a troca do meia Zé Roberto, do Flamengo, pelo atacante Wellington Paulista, do Cruzeiro.

Wellington Paulista, que será apresentado na terça-feira, é o quarto centroavante do elenco do Flamengo. Além do ex-cruzeirense, já trabalham com o técnico Cuca Emerson, Josiel e Obina. E Adriano já foi apresentado também.
Cuca gostou da troca e foi o principal incentivador da aquisição de Wellington Paulista, com quem trabalhou no Botafogo.

O treinador também lamentou o fato de Zé Roberto não ter emplacado no Flamengo depois de ter sido contratado no início do ano.

Engraçado. Aquele time do Botafogo era tão contestado por alguns e acabou atraindo a atenção de todos os demais grandes clubes brasileiros.

A saber: Jorge Henrique, no Corinthians; André Lima e Joílson, no S. Paulo; Lúcio Flávio, no Santos; Zé Roberto, no Flamengo; Diguinho, no Fluminense; Wellington Paulista, no Cruzeiro; e Túlio, no Grêmio.

Torcedor sugere tabela de preços

Como o seu espaço midiático é sem sombra de dúvidas o melhor locus para divulgação de ideias, venho propor ao meu querido Paysandu a seguinte tabela de preços para os jogos da Série C, caso (e assim espero) chegue à grande finalíssima.

A primeira fase inteira com preço de 15 reais, as quartas com preço de 20 reais, as semifinais a 30 reais e a grande final a 50 reais.

A este preço, a grande final poderia render aos cofres do Papão a bagatela de dois milhões bruto (aproximadamente 1 milhão e 300 mil líquidos).

De posse dessa arrecadação, proporia a diretoria que esse montante fosse totalmente revertido para pagamento de dívidas com a justiça.

Tenho certeza de que com esta finalidade (desde que lavrada em acordo com a justiça) o valor do ingresso não seria considerado um absurdo, mas uma grande sacada para abatimento nas dívidas.

 

Ps. O torcedor é o grande pagador das dívidas que não realizou. Quem sabe um dia isso mude por essas terras amazônidas.

Abraço!

Carlos Lira

STJD pode punir agressor

O atacante Dentinho, do Corinthians, pode ser suspenso por até 540 dias pela agressão a Rafael Moura, do Atlético-PR, na derrota do time do Parque São Jorge por 3 a 2, no dia 29 de abril, pela Copa do Brasil.

Segundo o site “Justiça Desportiva”, nesta segunda-feira, a Procuradoria do STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) marcou o julgamento do atleta para a próxima sexta, a partir das 14h.

Na ocasião, o atacante do Corinthians acertou uma cotovelada na boca do adversário, desencadeando um princípio de confusão em campo (o blog mostrou a imagem da agressão).

Curiosamente, não foi expulso de campo (nem advertido!) pelo assoprador de apito Nielson Nogueira Dias.

Logo depois, Dentinho faria o segundo gol corintiano na partida.

Ele responderá ao artigo artigo 253 (Agressão física) do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD). A pena varia de 120 a 540 dias de suspensão.

Quero só ver…

Movimento Vamos Subir, Papão

Recebo recado do amigo Glauco Lima, craque da propaganda e um indomável torcedor bicolor:

O Paissandu conclama toda a sua torcida para a campanha – Movimento Vamos Subir Papão.

Tô jogando junto!

Vai ter televisão, rádio, jornal, internet, brindes, sorteios, promoções, festas e eventos.

O clube está vivendo uma grande reestruturação e buscando profissionalizar todos os seus setores.

Entre as prioridades, a comunicação e o marketing, com gerências técnicas estimuladas através de premiação por resultados.

Nilmar é o cara?

Vagner Mancini, técnico do Santos, diz na TV algo que já ouvi Ivo Wortmann comentar no ano passado.

Observa que o atacante transforma em lance perigoso quase todas as bolas que recebe, pois tem recursos para o jogo aéreo e os lances de chão.

Nilmar, do Inter, é hoje o atacante mais técnico e qualificado do futebol brasileiro.

Faz o papel do antigo ponta-de-lança, cujos principais expoentes na história do nosso futebol foram Tostão, Bebeto e Rivaldo.

Careca, Edmundo e Miller também atuavam, em certos momentos, dentro das mesmas características.

Gosto do jeito rápido e objetivo de Nilmar.

Aliás, nunca entendi sua ausência nas convocação para a Seleção, mas é justo dizer que é difícil entender quase tudo sobre o escrete.

Tenho dúvidas quanto à sua resistência física, mas este parece ser um problema superado.

No Inter bem reforçado de hoje Nilmar tem tudo para finalmente mostrar seu valor.

A derrota é sempre chata

Ninguém gosta de perder, obviamente, mas dois técnicos que dirigem grandes times de S. Paulo são extremamente parecidos nas reações pós-derrota.

Muricy Ramalho e Mano Menezes.

Quando perdem, o jogo normalmente é apontado como “chato”, fraco tecnicamente.

Muricy, do S. Paulo, saiu dizendo isso depois da derrota para o Flu, domingo, no Maracanã.

Mano Menezes, do Corinthians, falou mais ou menos a mesma coisa, após perder para o Inter, no Pacaembu.

Não seria mais simples admitir que perderam porque o adversário foi melhor, que futebol tem essa coisa tão simples, de ganhar e perder?